Vitamina K necessária para a coagulação do sangue

A vitamina K é necessária para a síntese das proteínas que ajudam a controlar o sangramento, sendo assim ela é necessária para a coagulação normal do sangue, mas a capacidade do corpo de armazená-la é muito baixa. Ela também é necessária para a saúde dos ossos e outros tecidos.

A vitamina K é lipossolúvel (solúvel em gorduras) e se divide em filoquinona (K1-predominante), menaquinona (K2) e menadiona (K3). A vitamina K1 é encontrada em alimentos de origem vegetal, a k2 é produzida pela nossa flora intestinal e a k3 é produzida em laboratório. Esta última versão é utilizada nos suplementos e é bem absorvida pelo organismo.

Leia também: Sol o responsável pela vitamina D

Leia também: Boas razões para comer brócolis

Benefícios da vitamina K

– Evita doenças cardíacas e AVC: Impede a calcificação vascular e assim minimiza as chances de desenvolver doenças cardiovasculares ou acidente vascular cerebral.

– Auxilia a síntese de proteínas: Participa diretamente na síntese de proteínas como a osteocalcina (GLA), essa proteína representa até 2% da estrutura óssea.

– Ajuda na saúde dos ossos: As proteínas dependentes de vitamina K, osteocalcina e proteína matriz gama-carboxiglutamil (Gla), têm importante papel nos ossos e em outros tecidos. A vitamina K é usada em terapias comuns para osteoporose. A osteocalcina é responsável por fazer a ligação do cálcio aos ossos, deixando a estrutura óssea com mais força e maior densidade.

– Aumento da Testosterona: Outra função da vitamina k é a promoção do aumento de testosterona, esse aumento causa queda dos níveis de andrógenos e melhorando a fertilidade feminina e masculina.

– Prevenção de câncer: Tem ação importante na prevenção de câncer, ela atua suprimindo genes que possivelmente podem desenvolver câncer e fortalece genes que fazem síntese de células saudáveis e combatem o câncer.

– Melhora o desempenho físico e previne a diabetes: Atua no pâncreas promovendo a produção de insulina, o que ajuda na prevenção da diabetes, esse aumento também melhora a taxa de tolerância à glicose pelas células, e essa energia pronta para ser consumida auxilia durante a realização de atividades físicas, facilitando a chegada de nutrientes na célula e melhorando consequentemente o desempenho físico.

– Evita varizes: Por ser agente anti coagulante, propicia uma melhora significativa na circulação sanguínea, com isso diminui o risco de varizes.

Fontes de vitamina K

A vitamina K pode ser encontrada em diferentes alimentos, principalmente os vegetais e óleos, sendo esses os responsáveis pelo aumento da absorção da filoquinona. Boas fontes dela são o brócolis, couve-flor, o agrião, a rúcula, o repolho, o nabo, a alface, o espinafre e outros vegetais verdes. É preciso ingerir apenas 50 gramas destes vegetais para ter a quantidade diária recomendada de vitamina K.

Os óleos vegetais, como o azeite, também contam com o nutriente. As oleaginosas, o abacate, o ovo e o fígado também possuem boas quantidades de vitamina K. Os cereais, grãos, pães e laticínios possuem teores discretos da vitamina.

O suplemento de vitamina K geralmente não é necessário, pois o nutriente é facilmente obtido na alimentação e também é produzido pelo próprio organismo. Normalmente, ele é orientado para recém-nascidos prematuros ou pessoas com dificuldade de absorção de gorduras, como aquelas que passaram por uma cirurgia bariátrica e que tomam medicamentos que dificultam a absorção de gordura.

Consequências da falta de vitamina K

Em adultos saudáveis, a deficiência de vitamina K é muito rara, uma vez que muitos alimentos comuns contêm uma quantidade significativa de vitamina K, e algumas bactérias no intestino produzem a vitamina. Mas alguns fatores podem interferir em sua absorção, são eles: má absorção gastrointestinal, secreção biliar em excesso e uso de anticoagulantes, entre outros fatores mais raros.

O principal sintoma da deficiência de vitamina K é o sangramento (hemorragia) sob a pele (que causa manchas negras), nasal, de uma ferida, do estômago ou do intestino. O sangramento no estômago, às vezes, provoca vômitos com sangue. É possível ver sangue na urina ou nas fezes, ou as fezes podem ter uma cor negra.

As hemorragias no cérebro ou em volta dele são potencialmente fatais para os recém-nascidos. Ter uma doença hepática aumenta o risco de apresentar hemorragia, porque os fatores de coagulação são produzidos no fígado. A deficiência de vitamina K pode também debilitar os ossos.

A falta de vitamina K em recém nascidos

A vitamina K injetável pode prevenir a doença hemorrágica do recém-nascido. A doença hemorrágica do recém-nascido (HDN) é causada por uma deficiência de vitamina K no bebê que acabou de nascer. Esse problema pode levar o bebê a ter um sangramento que coloca em risco sua vida no período que vai das primeiras horas depois do nascimento até alguns meses.

A HDN clássica ocorre entre o primeiro e o sétimo dia de vida enquanto a HDN tardia ocorre entre a 2ª e a 12ª semana depois do nascimento. A vitamina K costuma passar pela placenta, mas nem sempre a quantidade é suficiente. A conclusão feita em diversos estudos é que uma única injeção de vitamina K no bebê previne a HDN clássica.

O risco de consumo excessivo

É muito difícil ingerir vitamina K em excesso por meio da alimentação. As grandes quantidades ocorrem por meio da suplementação mal orientada e podem hiperestimular a coagulação sanguínea e aumentar o risco de trombose. Por isso, é essencial consumir o suplemento de vitamina K somente após orientação do nutricionista ou médico nutrólogo.