Quanto mais natural melhor

Produtos naturais registraram crescimento de 25% na receita entre 2015 e 2019, segundo estudo da BCG (Boston Consulting Group). Da alimentação aos cosméticos, os consumidores estão cada vez mais atentos ao que estão levando das prateleiras para casa. Produtos com composição natural têm ganhado a preferência entre o público, acompanhando uma tendência mundial de saudabilidade, e quanto mais natural melhor.

Muito além de ser “fitness”, a preocupação com a saúde passa pelos rótulos e composições dos produtos. Uma pesquisa realizada pela consultoria BCG, nos Estados Unidos, e divulgada recentemente, compilou dados sobre a movimentação do mercado de produtos naturais. De acordo com o levantamento, entre meados de 2015 e meados de 2019 a receita de vendas de produtos naturais teve um incremento de 25%, passando de U$51 bilhões para U$64 bi. O crescimento se dá em função de uma mudança gradual e constante nos hábitos dos consumidores nos últimos anos, gerando ainda uma maior oferta de produtos do segmento no mercado.

De acordo com a BCG, nesse mesmo período, 3.600 novas marcas surgiram no mercado, sendo elas de segmentos diversos como alimentação, saúde, até produtos de limpeza doméstica. Ainda de acordo com o estudo da Boston Consulting Group, as bebidas não alcóolicas, incluindo as funcionais, fazem parte de um grupo de “oportunidades promissoras” e que devem ter um crescimento rápido até 2024.

Leia também: A baixa de preços nos alimentos orgânicos

Leia também: O mal que o Fast Food faz a saúde

No Brasil, essa “naturalização” da indústria também segue a mesma tendência. Entre os exemplos está a Verde Campo, marca saudável da Coca Cola, que desde o final de 2018 assumiu compromisso de reformular seu portfólio de produtos e vem trabalhando na produção de lácteos 100% naturais, sem conservantes, corantes ou aromatizantes artificiais.

A marca lançou em 2019 cerca de 20 novos produtos, entre iogurtes e queijos, todos eles já dentro dos novos padrões naturais estabelecidos internamente. Para este ano, planeja terminar essa mudança, tirando todos os conservantes do Requeijão e Cottage. “Um dos desafios desse projeto foi levar a mudança para além dos muros da nossa fábrica e envolver toda a cadeia produtiva, começando pelo leite. Envolvemos fornecedores de preparados de frutas, fermentos, corantes, entre outros ingredientes, para que eles fizessem parte dessa transformação. Nada que entra na elaboração dos produtos tem origem artificial”, reforça Arlindo Cruzi, presidente da Verde Campo.

Um dos grandes diferenciais da Verde Campo está no seu DNA inovador. Com processos modernos e técnicas que passaram de geração para geração, foi pioneira no lançamento de produtos sem lactose e de iogurtes proteicos no Brasil. As novas receitas passaram a ter, por exemplo, extrato de beterraba ou cenoura roxa como corante e stévia, um adoçante natural.

Sobre a Verde Campo

A Verde Campo é a primeira empresa do Brasil a assumir o compromisso de produzir apenas lácteos 100% naturais – livres de conservantes, corantes e aromas artificiais. Os produtos são feitos a partir de leite fresco, certificado e de altíssima qualidade, com receitas que substituem ingredientes artificiais por insumos encontrados na natureza.

Localizada em Lavras, interior de Minas Gerais, a empresa desenvolve há 20 anos produtos inovadores com a missão de proporcionar ao consumidor uma vida mais leve e saudável, sem deixar o sabor de lado. Com processos modernos e técnicas artesanais, a Verde Campo é reconhecida por aliar tradição, tecnologia, saudabilidade e o prazer do paladar. Desde 2016, a marca integra o portfólio da Coca-Cola Brasil.

Matéria gentilmente enviada pela Rede Comunicação