Polifenóis compostos bioativos com várias propriedades benéficas

Os polifenóis são uma classe de compostos bioativos encontrados nos vegetais com várias propriedades benéficas ao nosso organismo. As pesquisas, nas últimas décadas, apontaram para o papel dos alimentos funcionais na promoção da saúde e prevenção de doenças e, nesse cenário, os polifenóis são peças chaves.

Nas plantas, os polifenóis exercem função de fotoproteção, defesa contra microorganismos e insetos, além de serem responsáveis pela pigmentação e por algumas características organolépticas dos alimentos.

Os polifenóis apresentam uma estrutura química comum, derivada do benzeno, ligada a um grupo hidrofílico. Com base em sua estrutura e na maneira pela qual os anéis polifenólicos ligam-se uns aos outros, eles são classificados em quatro famílias: flavonoides (flavonas, flavanonas, catequinas e antocianinas), ácidos fenólicos, lignanas e estilbenos (resveratrol).

Leia também: Flavonoides e seus muitos benefícios para saúde

Leia também: O papel dos antioxidantes em nosso organismo

Se você está tentando incorporar a sua vida uma alimentação saudável e, tanto prevenir, quanto combater, diversas doenças e adicionar uma lista de benefícios para a sua saúde, convém começar a incorporar mais alimentos ricos em polifenóis no seu cardápio diário.

Como os polifenóis agem no organismo

Os polifenóis têm recebido muita atenção da comunidade científica por seus numerosos efeitos biológicos, como sequestro de espécies radicalares de oxigênio, modulação da atividade de algumas enzimas específicas, inibição da proliferação celular, bem como seu potencial como agente antibiótico, antialérgico e anti-inflamatório.

Muitos benefícios do micronutriente vêm de seus efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios. Ao reduzir os radicais livres e o estresse oxidativo no organismo, os polifenóis diminuem os danos celulares que podem levar a muitas doenças crônicas.

Os benefícios de consumir essa substância são inúmeros. Os polifenóis são conhecidos por fornecer proteção contra doenças cardíacas, reduzir a inflamação que pode causar problemas de saúde como artrite reumatóide e doença inflamatória intestinal, prevenir cânceres, doenças degenerativas (Parkinson, mal de Alzheimer, etc), impedir a formação de coágulos sanguíneos e apoiar o controle do açúcar no sangue, evitando, assim, a diabetes tipo II. Além disso eles ainda auxiliam a recuperação muscular e retardam o envelhecimento.

As propriedades biológicas dos polifenóis dependem da sua biodisponibilidade. Uma evidência indireta de sua absorção pelo intestino é o aumento da capacidade antioxidante do plasma após o consumo de alimentos que contêm esses compostos. Porém a absorção é variável, pois os polifenóis apresentam uma considerável diversidade estrutural, que influencia em sua biodisponibilidade.

É importante enfatizar que os polifenóis mais comuns na dieta humana não são os mais ativos biologicamente. Isso ocorre por razões como baixa atividade intrínseca, absorção intestinal reduzida ou rápida metabolização e excreção. Os polifenóis mais comuns na dieta são os flavonoides, que correspondem a aproximadamente um terço da ingestão. Um estudo estimou que a ingestão dietética de flavonoides pela população brasileira é de 60 a 106 mg/dia. 

Após a absorção, os polifenóis conjugados podem ser secretados pela rota biliar no duodeno e seguir até o cólon, em que são submetidos à ação de enzimas bacterianas, especialmente a glucoronidase. Depois desse processo, eles podem ser reabsorvidos. Essa recuperação entero-hepática pode levar a uma longa permanência de polifenóis no corpo.

Principais alimentos ricos em polifenóis

– Frutas vermelhas: Embora todas as frutas vermelhas contenham uma dose vigorosa de polifenóis, os mirtilos (blueberries) são os mais ricos da lista. A fruta é fonte de antioxidantes de combate aos radicais livres que protegem o corpo de vários tipos de doenças crônicas. Pesquisas também mostram que os polifenóis encontrados nos mirtilos podem ajudar a reduzir a atividade de vários gatilhos da inflamação.

– Chá verde: Você provavelmente já ouviu falar que o chá verde é rico em antioxidantes. A bebida contém flavonoides, uma forma de polifenóis que representam 30% do peso seco do chá. Esses compostos ajudam a reduzir potencialmente o risco de câncer, bem como baixar a pressão arterial.

– Vinho tinto: O debate sobre os benefícios do vinho para o organismo data de tempos remotos, mas sabemos com certeza que o vinho tinto é rico em polifenóis (assim como o suco de uva). Mais especificamente, vinho tinto tem um alto teor de resveratrol, um tipo específico de polifenol que combate a inflamação.

– Azeite de oliva: As azeitonas são ricas em polifenóis, sendo assim, o azeite é uma excelente fonte do micronutrientes. Portanto, é muito indicado o  uso de azeite de oliva em saladas e vegetais. Certifique-se de optar pela variedade extra-virgem, pois é a versão menos processada do produto, consequentemente, a mais saudável. Outra ponto importante é o fato do azeite de oliva perder algumas características nutricionais quando aquecido a mais de 190º C, atingindo o seu “ponto de fumaça”, ou seja, seu ponto crítico de aquecimento. A partir desse ponto podem ser formadas substâncias químicas nada saudáveis e sabores e odores indesejáveis.

– Espinafre: No geral, os legumes são ricos em polifenóis, mas o espinafre está no topo do ranking. É rico em antioxidantes, que servem como compostos protetores e que dão ao espinafre seus efeitos antienvelhecimento.

– Café: Sua xícara no café da manhã está lhe dando um bom impulso de polifenóis, especificamente uma forma chamados ácidos clorogênicos. Tais ácidos mostraram benefícios na prevenção de certas doenças crônicas, como diabetes tipo 2, Parkinson e doença hepática.

– Chocolate amargo: Cacau e chocolate na versão amarga (com mais de 70% de cacau) são ricos em flavonóides, uma forma de polifenóis. Estudos mostram que o micronutriente presente no chocolate amargo pode estar envolvido no controle do colesterol, ajudando a aumentar o colesterol HDL (bom) e a diminuir o colesterol LDL (ruim).

– Oleaginosas: Qualquer que seja a oleaginosa (castanhas, nozes, avelãs, amendoins, castanhas de caju, amêndoas, pistache, etc.) que você goste de comer, ela possui polifenóis. Mas, avelãs e nozes têm a maior contagem da substância.