Pequi uma fruta típica do cerrado brasileiro

O pequi (Caryocar brasiliense) é uma fruta típica do cerrado brasileiro, muito utilizada na culinária das regiões Nordeste e Centro-Oeste e também no norte de Minas Gerais. Além disso, a medicina popular atribui uma série de usos ao fruto.

Na culinária, a fruta dá um toque especial às receitas devido ao seu sabor e aroma peculiar. O pequi está presente não só em receitas tradicionais e caseiras, como o famoso arroz com pequi, mas até em drinques.

O uso do pequi vai muito além do consumo ‘in natura’. Ele pode ser cozido e utilizado em qualquer tipo de preparo, tanto doce quanto salgado. O azeite de pequi, extraído da polpa, por exemplo, faz a função do azeite de oliva na culinária. Ainda é possível, embora menos usada, consumir a castanha do pequi. Para isso é preciso deixar o caroço do pequi secar por uns dois dias e depois torrá-lo.

O fruto também ganhou espaço no segmento dos cosméticos. Além do poder hidratante inerente a todo óleo, o do pequi apresenta a vantagem de modelar os fios dos cabelos. Por isso, foi adicionado a diversas formulações de xampus, especialmente nos específicos para o público dono de cacheados, já que o efeito modelador é mais natural.

Leia também: Ácidos graxos produzidos quando as gorduras são quebradas

Leia também: O papel dos antioxidantes em nosso organismo

Com 152Kcal e 1,5 gramas de proteínas a cada 100 gramas da fruta, o pequi ainda possui em sua composição nutricional fibras alimentares e altos níveis de riboflavina (vitamina B2), niacina (vitamina B3), vitamina A, C e E. Além de minerais essenciais como cobre, ferro, fósforo, magnésio, potássio e sódio. O pequi também é rico em ácidos graxos monoinsaturados, gorduras do bem, que também são encontradas nas oleaginosas e azeites.

Os espinhos do pequi

Ele é um fruto do tamanho de uma maçã com a casca verde, mas no seu interior há sementes revestidas por uma polpa amarela e macia (geralmente de uma ou duas sementes, mas existem casos de se encontrar até quatro sementes dentro da fruta), que é a parte comestível desse alimento, juntamente com sua castanha.

O nome pequi significa “pele espinhenta” e se deve à característica do seu caroço, que é repleto de espinhos com até quatro milímetros de comprimento, os quais podem adentrar na mucosa do céu da boca e causar fortes dores. A polpa deve ser consumida com as mãos, usando os dentes para raspar cuidadosamente apenas a parte amarelada, e nunca se deve mordê-lo.

Quando essa polpa começa a ficar esbranquiçada, começa a revelar os espinhos e requer maior cuidado ao consumir a fruta.

Benefícios do pequi

Aliado do coração: Os ácidos graxos mono-insaturados do pequi podem ajudar a melhorar o perfil do colesterol no organismo, por reduzirem o colesterol LDL, considerado ruim para a saúde. O LDL quando oxidado pode se acumular em placas de gordura nos vasos sanguíneos, podendo levar ao seu entupimento a longo prazo, o que pode causar diversas doenças cardiovasculares como infarto e AVC.

Além disso, por ser rico em nutrientes antioxidantes (como as vitaminas A e C), ele reduz as chances de que o colesterol LDL se oxide, o que protege mais ainda o coração. Por fim, a combinação de vitaminas e minerais do pequi beneficia a pressão arterial, trazendo um equilíbrio na retenção de líquidos, como é o caso do potássio que ajuda no relaxamento dos vasos sanguíneos.

Protege a visão: O pequi é uma boa fonte de vitamina A por ser rico em carotenoides, substâncias que são precursoras desse nutriente. Eles atuam como antioxidante principalmente nos olhos, impedindo a degeneração macular e catarata que muitas vezes são causados pelos radicais livres. Os carotenoides presentes nesse alimento são caroteno, licopeno, criptoxantina, zeaxantina, luteína e neoxantina. Entre eles, a luteína é o composto que mais atua nas estruturas dos olhos.

– Previne o câncer: Estudos mostram que uma dieta rica em alimentos antioxidantes, como o pequi, pode prevenir diversos tipos de câncer. Isso porque eles combatem os radicais livres, compostos que levam a processos de degeneração dos tecidos do corpo, além de causarem mutações que podem levar ao câncer.

– Auxilia na saúde da pele: Os radicais livres também são responsáveis pelo envelhecimento da pele, portanto consumir alimentos ricos em antioxidantes, como o pequi, é benéfico para evitar o envelhecimento precoce e melhorar a elasticidade da pele.

Reduz danos articulares em atletas: As propriedades anti-inflamatórias do pequi são aliadas de atletas. Em um estudo em que atletas foram submetidos a uma dieta com altas quantidades de pequi houve redução da inflamação nas articulações e na musculatura, algo que ocorre comumente após treinos prolongados ou intensos.

Riscos de consumo e efeitos colaterais

Não existem contraindicações para o consumo do pequi, no entanto, por seu alto valor calórico, principalmente do azeite de pequi, o ideal é que pessoas com sobrepeso ou que querem emagrecer o consumam com moderação, pois o consumo em excesso pode levar ao aumento de peso.