Pepino um vegetal rico em água

O pepino, além de ser um alimento considerado um grande aliado para questões estéticas, por fazer parte da composição de diversos cosméticos para hidratação da pele, ele também se destaca por seus benefícios nutricionais e versatilidade gastronômica. Muito leve e pouco calórico, o pepino é um vegetal rico em água e deve fazer parte do seu cardápio diário.

A origem mais provável do pepineiro é no território indiano e sua chegada à Europa ocorreu através dos romanos. Existem relatos do seu cultivo na França (século IX) e Inglaterra (século XIV). Nas Américas, o fruto foi introduzido pelos colonizadores europeus (no caso do Brasil, pelos portugueses). O plantio de pepino prosperou em nosso país pois ele cresce, preferencialmente, em áreas mais tropicais e também em locais de clima mais temperado. Não é à toa que as regiões brasileiras com maior produtividade são a Sudeste e a Sul.

Cada 100 gramas de pepino, cru e com casca, possuem apenas 16 calorias, até porque seu principal constituinte é a água (cerca de 95% do total). Ele é uma excelente fonte de vitamina K e molibdênio, e apresentam boas quantidades de ácido pantotênico e fibras. Possui também vitamina C, vitamina B1, biotina, carotenoides, potássio, cobre, magnésio, manganês, fósforo, sílica, triterpenoides, lignanas e flavonoides.

Leia também: Suco detox – um poderoso aliado

Leia também: Chuchu muito mais que um elogio

Variedades de pepino

Existe uma ampla variedade de tipos de pepino pelo mundo, e eles podem ser classificados de duas formas: em pepinos para corte, os que são utilizados in natura e em pepinos para conserva, isto é, que são transformados em picles. Conheça as três variantes do vegetal para corte mais comuns no Brasil.

– Pepino Japonês: Comparado aos demais, estes espécimes são os mais alongados e finos. A casca apresenta reentrâncias e é de coloração verde-escuro e brilhante.

– Pepino Caipira: Possuem uma casca lisa e de coloração verde-claro com estrias brancas.

– Pepino Aodai: Estes também possuem uma casca lisa, mas são verde-escuro.

Para a produção em conserva (picles), são indicados outros tipos de pepino.

Confira os benefícios do pepino

– Hidratação e detox: 96% do pepino é composto por água, alimenta, hidrata e ainda alivia um pouco a vontade de mastigar em momentos de ansiedade. Toda essa água também atua fazendo uma ‘limpeza’, colocando para fora do organismo todas as toxinas.

– Auxilia o processo de emagrecimento: Como já visto, o pepino é fruto com pouquíssimas calorias, mas bastante nutritivo. Ele pode ser utilizado em qualquer tipo de programa de reeducação alimentar. O pepino é inclusive uma das ‘estrelas’ das dietas detox. Muitas vezes, a sensação de fome surge quando, na verdade, estamos precisando apenas tomar água. A desidratação provoca esta vontade de comer e, o pepino, graças ao seu elevado teor de água, ajuda na hidratação e a reduzir a fome.

As fibras do pepino também são importantes aliadas para o processo de emagrecimento, promovendo a sensação de saciedade.

– Preservação dos rins: Consumir pepino reduz os níveis de ácido úrico do organismo, mantendo os rins funcionando em equilíbrio, e ainda ajuda a dissolver cálculos renais.

– Facilita digestão e reduz prisão de ventre: Por ser rico em fibras, o pepino auxilia na limpeza do trato intestinal, regulando o trânsito, e por ser abundante em água, como dito antes, ajuda a eliminar melhor as toxinas.

Auxilia no combate a diabetes: O pepino tem baixo índice glicêmico, o que o torna inofensivo para dietas com restrições de açúcar, e, além disso, auxilia a produção de células beta, que são as responsáveis pela síntese de insulina (substância que mantém o equilíbrio da glicose no sangue) e é muito eficiente no combate à diabetes tipo 2.

– Prevenção do câncer: O vegetal tem em sua composição um tipo de fitonutriente que ajuda a restringir o metabolismo das células cancerígenas, fazendo do pepino um complemento no combate de cânceres como de ovário e de mama.

– Mantém a saúde bucal: Mascar pepino fresco refresca a saliva e cura gengivas doentes, o que evita o mau hálito, e ainda fortalece a mandíbula.

– Ajuda na saúde dos ossos: O pepino é uma excelente fonte de vitamina K, um nutriente fundamental para os nossos ossos. A vitamina aumenta a absorção de cálcio pelos ossos.

– Ameniza os efeitos do excesso de álcool: Para evitar aquela dor de cabeça depois de exagerar nos drinks, coma algumas fatias de pepino pouco antes de dormir. As vitaminas A e B e os eletrólitos encontrados no pepino repõem os nutrientes essenciais que se perdem quando cometemos excessos e sobrecarregamos nosso organismo.

Riscos de consumo e contra indicações

Lembre-se sempre de consumir qualquer tipo de alimento com moderação, mesmo que ele seja natural. O consumo exagerado de pepino pode ser prejudicial à saúde, por ele ser é um diurético pode provocar um desequilíbrio eletrolítico, pela grande perda de fluidos.

Grandes quantidades de potássio (hipercalemia), além de prejudicar o coração, sobrecarregam os rins.

Existem toxinas no pepino, triterpenoides tetracíclicos e cucurbitacinas, que lhe conferem um sabor amargo, e, se ingeridas em excesso podem provocar até o óbito.

Muitas pessoas também relatam sentir problemas indigestão, gases e inchaços, após o consumo de pepino. A cucurbitacina também é responsável por este efeito, que acomete principalmente aqueles que já têm problemas digestivos.

Alérgicos a melões, bananas, semente de girassol, chá de camomila e pólen também podem apresentar sensibilidade ao pepino, sendo contra indicado o consumo nestes casos.

Pessoas que apresentam alergia ao leite devem dar uma atenção especial quanto ao consumo de pepinos. Alguns agricultores passam uma cera nos frutos, a fim de protegê-los contra pragas. Esta cera contém caseína, uma proteína do leite.

Fontes: Taeq; Nutricionista Dra. Patrícia Leite