Oxalato favorece a formação de pedra nos rins

O oxalato (ácido oxálico) é um ácido orgânico que pode ser encontrado em vegetais verdes folhosos e outros alimentos vegetais e que, quando consumido em excesso, favorece a formação de pedra nos rins. Ele se liga aos minerais no intestino (como cálcio, sódio e potássio) e previne que alguns deles sejam absorvidos, particularmente quando combinados com fibras.

Assim, é recomendado consumir os alimentos ricos em oxalato de forma moderada para evitar a formação de cálculos de oxalato de cálcio nos rins. Normalmente, o cálcio e quantidades pequenas de oxalato estão presentes no trato urinário ao mesmo tempo, mas elas permanecem dissolvidas e não causam problemas. No entanto, algumas vezes elas formam cristais. Em algumas pessoas, esses cristais podem levar à formação de pedras, especialmente quando o oxalato está alto e o volume urinário baixo.

Leia também: O que são antinutrientes, devo me preocupar com eles?

Leia também: O verde escuro é altamente benéfico

Pequenas pedras normalmente não causam quaisquer problemas, mas as grandes podem provocar dor intensa, náusea e sangue na urina conforme se movem pelo trato urinário. Apesar de existir outros tipos de pedras renais, cerca de 80% são feitas de oxalato de cálcio.

Alimentos ricos em oxalatos

Muitos alimentos que contêm oxalatos são nutritivos e promovem vários benefícios para a saúde. Evitá-los não é necessário para a maioria das pessoas e, pode até ser prejudicial.

Muitos alimentos que contêm oxalatos são nutritivos e promovem vários benefícios para a saúde. Evitá-los não é necessário para a maioria das pessoas e, pode até ser prejudicial. A maioria das pessoas saudáveis pode consumir alimentos ricos em oxalato sem problemas, mas aquelas com função intestinal alterada podem precisar limitar o seu consumo.

Alimentos ricos em oxalato (100-900mg/porção) incluem: vegetais folhosos verdes escuros (como espinafre, couve, salsinha, etc), pó de cacau, batata doce, beterraba, amendoim, nabo, quiabo, carambola, pimenta, nozes, café, cerveja, refrigerantes, alimentos à base de soja (como o leite de soja e o tofu)

Como reduzir a taxa de oxalato no organismo

Importante dizer que uma dieta baixa em oxalato, não apenas previne a formação de cálculos nos rins, mas também pode melhorar os sintomas de outros problemas, como insônia, dor para urinar, dores nas articulações, asma, fibromialgia, fadiga crônica, entre outros.

Existem algumas dicas básicas para quem quer seguir uma dieta baixa em oxalatos pensando, principalmente, na prevenção das pedras nos rins:

– Ferva os vegetais: Ferver, ou escaldar, os vegetais, e dispensar a primeira água desse cozimento, pode ajudar a reduzir o seu conteúdo de oxalatos em 30 até 90%, dependendo do vegetal.

– Beba muita água: Você deve consumir, no mínimo, dois litros de água por dia, mas se você tem predisposição a ter pedras nos rins, aumente este valor para pelo menos dois litros e meio.

Vegetais com baixas taxas de oxalato: Existem alguns alimentos que possuem pouco oxalato em sua composição nutricional que são muito indicados para pessoas que querem diminuir a quantidade de ácido oxálico da sua dieta, como maçã, abacate, melão, ameixa, pepino, brócolis, aspargos, linhaça, coco, laticínios, peixes, ovos e carnes.

– Consulte um profissional de saúde: Quem possui uma pré disposição a formar pedras nos rins deve consultar um médico ou nutricionista para indicar alimentos naturais que podem ajudar na prevenção da formação de pedras nos rins e para indicar qual é a quantidade permitida do consumo de alimentos que possuam oxalato em sua composição.

Esses indivíduos devem ter uma baixa ingestão de oxalato diária, que não deve ultrapassar 40 a 50 mg/dia, o que corresponde a não comer mais de uma colher de sopa de beterraba por dia, por exemplo.

Para a maioria das pessoas, o oxalato não deve ser uma preocupação, por isso, evitar estes alimentos naturais que podem ser ricos em oxalato não é uma boa ideia, já que eles oferecem também uma grande variedade de nutriente (como ferro, no caso de vegetais folhosos) essenciais para a nossa saúde.