Nestlé aposta em atum vegetariano

A mundialmente conhecida Nestlé aposta em um atum vegetariano como nova sensação entre aqueles que não se alimentam de produtos de origem animal. Chamado de “Sensational Vuna” (algo como “Atum sensacional”), o nome brinca com a palavra “tuna”, atum em inglês, e “vegan”, que significa vegano. O produto será lançado na Suíça primeiro, sob a marca Garden Gourmet, nas versões em pote de vidro e em um sanduíche, depois deve ser comercializado em escala global.  

 

Esta é a primeira investida da gigante suíça no mercado de frutos do mar à base de plantas. A notícia é um passo positivo para a preservação das espécies marinhas, alvo constante de pesca predatória

O “Sensational Vuna”, uma carne vegana com sabor e textura de atum, foi desenvolvido em apenas nove meses e é feito com a combinação de água e cinco ingredientes vegetais (água, proteína de ervilhas, glúten de trigo, óleo de colza, sal e aromatizante natural). O produto é rico em proteína de ervilha, uma das fontes de proteína vegetal mais ecológicas que existem.

A cada 100 gramas do produto, são consumidas: 266 kcal, 23,4 gramas de proteínas, 18,2 gramas de gordura, 0,1 gramas de fibras alimentares, 0,1 gramas de açúcares e 1,4 gramas de sódio. Além disso, o atum vegano tem todos os aminoácidos essenciais e não possui colorantes e conservantes artificiais.

Leia também: Jasmine Alimentos lança o Vegetal Burger

Leia também: Bife vegetariano criado em impressora 3D

“Alternativas de frutos do mar produzidos de forma sustentável com base em vegetais podem ajudar a reduzir a pesca predatória e proteger a biodiversidade de nossos oceanos”, afirmou Stefan Palzer, diretor de tecnologia da Nestlé, no comunicado à imprensa. “Nossa alternativa de atum à base de plantas é deliciosa, nutritiva e rica em proteínas. Estamos entusiasmados com o lançamento desse excelente produto, e de outras alternativas de peixes e crustáceos à base de plantas que já estão em desenvolvimento.”

A nota oficial, divulgada pela empresa, lembra que o produto pode ser utilizado em uma vasta gama de receitas, que incluem saladas, sanduíches e até pizzas. A empresa já oferece uma variedade de produtos feitos à base vegetal, como salsichas, almôndegas e hambúrgueres. 

A vez do peixe vegano

Consumidores exigentes estão estimulando uma verdadeira revolução. Depois dos hambúrgueres e carnes à base de plantas, chegou a vez do peixe vegano.

Nos Estados Unidos, a categoria atingiu no ano passado apenas 1% das vendas de produtos feitos de vegetais. Mesmo assim, o segmento já tem suas marcas precursoras, como a Good Catch, Hooked e Legendary Vish. Durante os últimos anos, pudemos observar como as indústrias, os restaurantes e as lanchonetes adaptaram cada vez mais suas ofertas de alimentos. Também, como os varejistas aproveitaram a onda plant based e introduziram com sucesso seus próprios produtos sem carne.

Ao que tudo indica, ter alternativas alimentares que excluam produtos provenientes de animais parece ser a maior tendência dessa década. E agora, finalmente, peixes e frutos do mar estão na mira das grandes foodtechs mundiais.

Os peixes e frutos do mar, principalmente peixes como atum, e frutos como caranguejo e camarão, sempre foram a maior lacuna no que se refere a carne à base de plantas. Se considerarmos os problemas relacionados à sustentabilidade, não há diferenças significativas em relação à produção e consumo de outras carnes.

– A sobrepesca comercial e as mudanças climáticas destroem os ecossistemas marinhos e colocam em risco a oferta global de frutos do mar.

– Fazendas de criação de peixes e captura de frutos do mar são práticas que infringem o bem-estar animal.

– Micro plásticos e resíduos industriais, quando ingeridos, afetam drasticamente a saúde humana.

As novas gerações, também se preocupam com os impactos éticos e ambientais dos alimentos que ingerem. Eles estão atentos às consequências da sobrepesca nos ecossistemas locais e violações dos direitos humanos nas cadeias de fornecimento de frutos do mar. Assim, já há razões mais que suficientes para o desenvolvimento de peixes à base de plantas.

Trata-se apenas de uma fatia da indústria de alimentos à base de plantas que segundo estimativas valerá US$ 140 bilhões nos próximos 10 anos, capturando 10% da indústria global de carnes. Considerando que peixes e frutos do mar veganos agora representam apenas 1,2% das vendas, há muito espaço para crescimento.

A empresa

Nestlé S.A. é uma empresa transnacional suíça do setor de alimentos e bebidas com sede em Vevey, Vaud, na Suíça. Foi considerada a maior empresa de alimentos do mundo, medida por receitas e por outras métricas, nos anos de 2014, 2015 e 2016. Ela foi classificada no 72.º lugar na Fortune Global 500 em 2014 e na 33.ª posição na edição 2016 da Forbes Global 2000 na lista das maiores empresas públicas.[8]

Os produtos da Nestlé incluem alimentos para bebês, alimentos médicos, água engarrafada, cereais matinais, café e chá, produtos de confeitaria, produtos lácteos, sorvetes, alimentos congelados, alimentos para animais de estimação e lanches. Vinte e nove das marcas da Nestlé têm vendas anuais de mais de 1 bilhão de francos suíços (cerca de 1,1 bilhão de dólares), como Nespresso, Nescafé, Kit Kat, Smarties, Nesquik, Stouffer’s, Vittel e Maggi. A Nestlé possui 447 fábricas, opera em 194 países e emprega cerca de 339 mil pessoas. É um dos principais acionistas da L’Oréal, a maior empresa de cosméticos do mundo.