Não tenha medo de incluir a taioba em sua alimentação

A taioba, considerada por muitas pessoas um simples planta, ou uma “erva daninha”, é na verdade uma PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais), como muitos benefícios para a saúde. Uma verdura de folhas escuras encontrada em pequenas feiras de produtores locais e em muitas hortas caseiras. Se você tem acesso a ela, não tenha medo de incluir a taioba na sua alimentação, pois através dela você receberá uma série de nutrientes importantes, embalados com fibras e poucas calorias (47Kcal a cada 100 gramas do alimento).

A taioba é originária da América Central, porém já era cultivada há milhares de anos na China e no Egito. Suas folhas parecem com as folhas da couve, porém um pouco mais largas e mais vistosas. Ela também é conhecida como: orelha-de-elefante, macabo, mangarás, mangará-mirim, mangareto, mangarito, taiá e yutia. Seu nome científico é Xantosoma sagittifolium e ela pertence à família das Aráceas, sendo facilmente cultivada em regiões de clima quente e úmido.

Existem diferentes maneiras de preparar a taioba, mas é importante sempre cozinhar essa planta, não é indicado comer a taioba crua. Seu preparo é muito parecido com a da couve, brócolis, espinafre e outros vegetais. Além disso, outro jeito bastante interessante de consumir a taioba é acrescentando-a no suco verde, após cozinha-la. É possível até usa-la como ingrediente na sua vitamina ou smoothie. Como seu sabor é agradável e sutil, ela costuma agradar a adultos e também crianças.

Leia também: PANCs – plantas alimentícias não convencionais

Leia também: Ora-pro-nóbis alto valor nutricional e biológico

Sua composição é repleta de nutrientes, possui, além de boa quantidade de fibras alimentares, vitamina A, C, E, vitaminas do complexo B, minerais como cálcio, sódio, ferro, magnésio, manganês, fósforo, potássio, cobre, zinco e selênio, além de 3,66 gramas de proteína a cada 100 gramas do vegetal.

Como identificar a taioba?

Apesar de todos os benefícios também é importante saber identificá-la, pois existem espécies semelhantes consideradas venenosas que podem causar diversos problemas à saúde. É o caso da taioba-brava, cujo nome científico é Colocasia antiquorum schott, e não é indicada para o consumo humano pois possui oxalato de cálcio, uma substância que pode causar asfixia, ardor na garganta e na boca.

Botanicamente falando, as plantas comestíveis possuem sobre o talo uma espécie de pó, chamado pruína. Se os talos da planta possuírem essa ceragem com aspecto de um talco, significa que são próprias para o consumo, bastando apenas ferver um pouco na água para remover essa camada de pó.

As folhas da taioba são uniformemente verdes, bem como seus talos, também chamados de pecíolos. Possuem nervuras bem marcantes, são bem macias e ficam cremosas quando cozidas.

Uma característica importante que difere a taioba-brava da taioba-mansa é que as folhas das duas possuem formato triangular (coração), porém na taioba-mansa a junção das duas partes se dá no encontro com o talo, enquanto que na taioba-brava esse encontro ocorre antes da inserção do talo, o qual tem coloração arroxeada.

Segundo o pesquisador Nuno Rodrigo Madeira, agrônomo da Embrapa, as dicas para distinguir a taioba que é própria para o consumo são: “O primeiro passo é ter um histórico de procedência da planta ou da muda. Em seguida devem-se observar se há um ponto roxo onde o pecíolo encontra a folha, a tendência é ser selvagem. Quando houver uma nervura perimetral, dando volta completa na borda da folha, geralmente é comestível. Quando o “V” da forma de coração, que consideramos como a reentrância da folha, atingir o pecíolo, em 90% dos casos é comestível.”

Benefícios da taioba

– Reforça o sistema imunológico: Um sistema imunológico saudável é capaz de impedir o desenvolvimento de uma série de doenças. Ele forma um verdadeiro escudo protetor capaz de impedir a entrada de vírus, bactérias, germes nocivos, entre outros. A taioba pode ser uma aliada para fortalecer o sistema imunológico, pois a sua concentração de vitamina C tem ação antioxidante capaz de ajudar a fortalecer o sistema imunológico, impulsionando as defesas do organismo.

– Ajuda na saúde dos ossos e dentes: O fósforo e cálcio são minerais preciosos quando o assunto é construir ossos e dentes fortes. A taioba contém expressivas quantidades desses e outros minerais que podem contribuir com a formação e manutenção da saúde óssea, o que melhora a resistência, impedindo fraturas, lesões e doenças como a osteoporose, comum em mulheres na menopausa e idosos.

– Auxilia no tratamento de anemia: Anemia ferropriva é geralmente o resultado da baixa quantidade de ferro no nosso organismo. Ela costuma causar fraqueza, indisposição, além de tontura e enjoos e o seu tratamento pode ser realizado de maneira simples, como por exemplo, ingerindo alimentos ricos em ferro como a taioba.

– Equilibra a pressão arterial e evita câimbras: Há benefícios da taioba também neste sentido, pois ela é rica em potássio que ajuda a manter os níveis da pressão arterial estáveis. Isso acontece porque o potássio atua como um vasodilatador, o que impede que a pressão sofra picos e se mantenha normal. Porém, a falta de potássio não é prejudicial apenas para a pressão sanguínea, pois a sua deficiência também pode provocar câimbras musculares, uma condição muito desagradável e dolorosa.

– Ajuda no trânsito intestinal: O vegetal é capaz de ajudar no funcionamento do intestino, justamente por ser um alimento rico em fibras. Ao consumir fibras, elas ajudam a regular o transporte dos alimentos por todo o intestino, adicionam volume e água as fezes, o que resulta em evacuações frequentes, sem tanta dificuldade.

– Auxilia o processo de emagrecimento: Como já dissemos a taioba contém poucas calorias, além de ser repleta de fibras alimentares que promovem a saciedade por mais tempo, fazendo com que você não coma indevidamente entre as refeições.

– Promove a saúde da pele: Dois componentes presentes na taioba podem contribuir muito com a saúde da pele. Primeiro, ela é repleta de antioxidantes, e eles ajudam a prevenir os danos causados pelos radicais livres, o que impede o envelhecimento precoce. Segundo, a vitamina A, que ajuda a estimular a produção de colágeno.