Moradores transformaram terrenos baldios em hortas comunitárias

Cansados de conviver com o descarte irregular de lixo, moradores de Birigui, interior do estado de São Paulo, resolveram usar a criatividade e transformaram terrenos baldios em hortas comunitárias.

O projeto das hortas urbanas em Birigui surgiu por iniciativa da ex primeira dama, Dona Hebe na década de 80. Na época ela notou que os funcionários da Prefeitura com padrão sócio econômico menor, não tinha qualidade na alimentação, “o prato era muito preto e branco”. Então a alimentação foi uma preocupação que acabou norteando este projeto. Inclusive na época não se encontrava verduras e legumes para vender nos supermercados, palavras dos agricultores destas hortas.

Dona Hebe também ofereceu cursos de alimentação para que as pessoas soubessem usufruir dos alimentos das hortas. O projeto das hortas urbanas já tem uns 33 anos, sobrevivendo a várias gestões. Chegou a ficar uns 10 anos sem nenhum apoio da Prefeitura, mas isso não fez com que as hortas sumissem, pois os próprios agricultores se ajudavam para manter suas hortas. Hoje este projeto é reconhecido inclusive por empresas locais, que fazem doações de materiais.

Leia também: A influência da psicologia alimentar na nutrição

Leia também: Agrotóxicos e o impacto na nossa alimentação

A cidade, hoje, que se tornou um exemplo nacional, tem cerca de 120 mil habitantes e a Prefeitura de Birigui inaugurou no dia 14 de dezembro, sua 63ª Horta Comunitária, que já está em funcionamento no bairro Vista Alegre. A meta da atual gestão é oferecer 70 hortas para os moradores de Birigui. O espaço, as sementes, a água e as orientações técnicas são oferecidos gratuitamente pelo governo municipal.

Hoje o projeto Hortas Comunitárias da Prefeitura de Birigui conta com 2.180 pessoas cadastradas.

Crianças envolvidas no projeto

O projeto também chegou às escolas do município com o objetivo de ensinar aos alunos como lidar com uma horta e a importância de se manter uma alimentação saudável. “Além deles produzirem o alimento, eles se alimentam na escola e levam para casa também”, afirma a secretária da Educação, Meiriane Aparecida Beltran.

Fonte: g1.globo.com