Iracema amplia mix de leites vegetais

No Brasil, de acordo com a consultoria Euromonitor International, o mercado de produtos alternativos aos laticínios cresceu 51,5% no ano passado, consolidando a ampla mudança nos hábitos de consumo dos brasileiros nos últimos anos. Em linha com essa tendência, a marca Iracema, que está no mercado desde 1943, está se renovando e apostando na renovação de seu mix de leites vegetais.

As bebidas, que estão nas gôndolas desde 2017, passaram por uma reformulação de receita, se adaptando melhor ao paladar dos brasileiros e seguindo o conceito clean label que está associado à ingredientes mais naturais e facilmente reconhecidos pelo consumidor.

A linha, que já conta com os sabores Castanha de Caju e Amendoim, foi ampliada oferecendo também as opções Amêndoa e Mix (amendoim, castanha de caju e amêndoa), em embalagens de 1L. As bebidas são 100% naturais, sem adição de açúcar, espessantes, estabilizantes, aromas ou corantes artificiais e são adoçadas com adoçantes naturais.

Leia também: Leite de alpiste um sub produto com alto valor nutritivo

Leia também: Frutas secas e castanhas são ricas em nutrientes

Com as mudanças nos produtos que chegam às gôndolas, somado à recente renovação visual da marca, Iracema projeta um crescimento em 2019. A expectativa é que o faturamento dos leites triplique, em relação ao ano passado, e a linha de nuts alcance crescimento de 30%, frente ao crescimento de 15% registrado em 2018.

Das prateleiras para a mesa

De acordo com pesquisa “Estilos de Vida 2019”, divulgada pela Nielsen, as pessoas estão cada vez mais atentas ao que comem e em busca de produtos que agreguem saudabilidade à rotina. O estudo aponta que mais de 50% dos entrevistados reduziu o consumo de gordura (57%) e sal (56%) na alimentação.

Em paralelo, 64% dos pesquisados afirmam seguir alguma dieta que limita ou proíbe o consumo de determinados produtos ou ingredientes. Desses, 44% gostariam de ter mais opções de produtos orgânicos, 26% adotaram uma dieta livre de glúten e 15% não consomem lactose.

Para Felipe Abramides, diretor de marketing de Iracema, a marca busca se renovar aliando tradição e reconhecimento no mercado à inovação. “Queremos que Iracema esteja cada vez mais presente no cotidiano dos brasileiros que se importam com a alimentação. Com as novidades, passamos a ofertar um mix bem completo de nuts e leites vegetais para consumidores que não queiram ou não possam consumir proteínas de origem animal”, ressalta Abramides.

A marca integra o portfólio da Globalbev desde 2015. Neste ano, a empresa ampliou em 50% seus investimentos em marketing e trade, sendo que Iracema recebeu a maior fatia desta conta.

A empresa

No início da história da Iracema, a empresa tinha como finalidade explorar comercialmente o Líquido da Casca da Castanha – LCC, produto usado hoje como base de vernizes, tintas e matéria prima de pastilhas de freio para veículos automotores.

Em meados de 1950, a amêndoa de castanha de caju passou a ser o principal produto da indústria, tendo em vista o elevado valor no mercado externo.

A Iracema foi adquirida pela Nabisco em 1987, iniciando um processo de modernização do parque industrial, focado na melhoria da produtividade e qualidade dos seus produtos. O processo de modernização que começou no final da década de 80 permitiu que as amêndoas de castanha de caju da Iracema atingissem mais de 40 países, em todos os cinco continentes.

A Iracema também pertenceu ao Grupo Kraft Foods, e desde 2004 está sob o controle do grupo BGIL. Atualmente, possui 4 fábricas, 3 situadas em Fortaleza – Ceará e uma situada em São Paulo do Potengi – RN, ocupando 262.000m² de área e gerando 2.200 empregos diretos, estrutura que faz da Iracema a maior indústria de beneficiamento de castanha de caju do Brasil e a segunda maior do mundo, com capacidade de processamento anual de 90 mil toneladas de castanha de caju in natura por ano.