Iogurte um alimento funcional com poderosos nutrientes

Seja em preparações doces, salgadas ou em sua própria forma natural, o iogurte é sempre um alimento funcional! Por isso, o iogurte é considerado um dos mais versáteis para ser incluído em uma rotina alimentar saudável. Repleto de benefícios e com poderosos nutrientes (como é o caso do cálcio, sendo o iogurte um excelente provedor desse mineral), que favorecem o bem-estar do nosso corpo, esse produto faz, cada vez mais, parte do cardápio das pessoas que prezam pela saúde.

Desde que foi descoberto, no início do século passado, no leste europeu, suas ações nutricionais já eram famosas por auxiliarem no funcionamento intestinal e no sistema imunológico. O iogurte tem a função probiótica, que regula a flora intestinal e inibe o aparecimento de micro-organismos maléficos ao corpo e, ao mesmo tempo, nos suprem com bactérias benéficas, que auxiliam nosso organismo de diversas maneiras.

Além de bactérias saudáveis comumente encontradas, alguns iogurtes possuem outras bactérias, em sua formulação, com comprovadas ações protetoras para os intestinos, regulação do seu funcionamento e estímulo ao sistema imune.

Leia também: Probióticos o que são e seus benefícios

Leia também: Você conhece o Kefir e seus benefícios?

Tipos de iogurte

– Iogurte natural: Pode ser considerado o mais saudável para as dietas. Feito a partir da fermentação do leite pelas bactérias Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus, sem adição de outros ingredientes.

– Iogurte desnatado: Assim como o iogurte natural, essa variação tem os mesmos benefícios mas com a vantagem de ter menos gordura na sua composição, por consequência, tem o valor calórico menor. Com essa quantidade menor de gordura e calorias, é o mais recomendado para procura perder peso e controlar níveis de colesterol.

– Iogurte líquido ou bebida láctea: Iogurte natural batido, sem textura cremosa, com quebra mecânica das proteínas coaguladas. Também se caracteriza pela adição de soro ao iogurte.

– Iogurte com probióticos: São iogurtes fermentados necessariamente pelas bactérias Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus, acrescidos de outros microrganismos probióticos (conhecidos como as bactérias do bem).

– Iogurte grego: O processo de manufatura é bastante semelhante ao iogurte natural, com maior concentração da massa coagulada do iogurte, drenando o soro formado. Um copo de iogurte grego é feito a partir de 3 copos de leite, em média.

– Iogurte Skyr: Este iogurte tem origem na Islândia e se caracteriza por sua consistência cremosa. Para produzir o skyr é utilizado o dobro do leite em relação ao iogurte grego e até quatro vezes mais leite quando comparado ao iogurte natural.

– Kefir (de leite): Embora não se trate de um iogurte, é considerado assim por muitas pessoas. É o resultado da fermentação do leite com grãos de kefir (também existe o kefir de água), que são constituídos por leveduras fermentadoras de lactose.

Benefícios do iogurte

– Ajuda emagrecer: Tanto as proteínas, como o cálcio, ambos presentes em boas quantidades no Iogurte, são auxiliares da perda de peso. A ingestão de proteínas promove saciedade, fazendo você reduzir a quantidade de alimentos que come rotineiramente. No caso do cálcio, estudos indicam que o mineral diminui a liberação de cortisol no organismo, um hormônio que favorece o acúmulo de gordura corporal, sobretudo na região do abdômen.

É bom lembrar que ainda existem os iogurtes desnatados e light, que colaboram ainda mais com uma dieta que visa a perda de peso.

– Excelente alimento pós-treino: O alimento que selecionamos após o treino faz toda a diferença para o processo de construção e reparação muscular (nossos músculos também se danificam conforme a intensidade dos exercícios). O consumo imediato do iogurte, após a prática de exercícios, estimula a síntese de fibras musculares.

Os benefícios do Iogurte como alimento para o pós-treino são proporcionados pelo seu conteúdo de proteínas (o que ajuda no aumento e no reparo da massa magra), carboidratos (que repõe os estoques de glicogênio) e a pouca quantidade de gorduras (já que estas atrapalham a digestão de seus nutrientes).

– Regula a flora intestinal: As bactérias existentes no Iogurte são consideradas como probióticos, pois elas ajudam a compor a microbiota intestinal. Com isso contribuem na absorção de vitaminas e minerais, ajudam a evitar prisão de ventre, diarreias, síndrome do intestino irritável, gases e doenças inflamatórias intestinais.

Combate infecções: Os probióticos também ajudam o sistema imune no combate a infecções, como infecções gastrointestinais e respiratórias.

– Ajuda a conter a candidíase: A candidíase, uma infecção fúngica recorrente em mulheres diabéticas, também pode ser combatida com o consumo de probióticos, que diminuem o do pH vaginal, reduzindo a infecção como um todo.

– Ajuda a controlar a glicemia: Os probióticos ainda ajudam a controlar o nível de glicose do sangue. Além da lactose, essas bactérias consomem qualquer tipo de açúcar, como os provenientes da nossa alimentação, transformando-os em ácidos graxos de cadeia curta, compostos que podem ser aproveitados na produção de energia das células do intestino grosso.

Graças a essa conversão, uma parte da glicose gerada através do processo digestivo não é absorvida pelo organismo, o que diminui a quantidade da glicose na corrente sanguínea. Os diabéticos podem sim se valer desse benefício do Iogurte, desde que escolham as variedades diets.

– Controla a pressão arterial: A hipertensão é um problema que afeta milhares de brasileiros e que contribui para a ocorrência de doenças mais graves, como o infarto. Por ser rico em potássio, o Iogurte ajuda a equilibrar os níveis de sódio no organismo, que em excesso contribui para o aumento da pressão arterial.

– Auxilia na saúde dos ossos: O cálcio, um nutriente fundamental para a tecido ósseo, é encontrado naturalmente no iogurte. O consumo constante desse mineral ajuda evitar doenças como a osteoporose. Mas, o teor do mineral também é passível de variações dependendo do tipo de iogurte.

– Ajuda na nutrição de intolerantes a lactose: Indivíduos com intolerância à lactose (condição causada pela deficiência da lactase, enzima que degrada a lactose) precisam fazer uma suplementação de cálcio, já que não podem consumir leite, que é uma das maiores fontes desse mineral.

O consumo de Iogurte é uma forma de evitar a carência de cálcio, já que os probióticos metabolizam a lactose. Mas, essas pessoas devem optar pelos de baixo teor ou sem lactose (verifique atentamente as informações do produto) porque em alguns iogurtes, como os congelados, não há uma quantidade de culturas vivas o suficiente para reduzir de forma mais efetiva a quantidade desse açúcar do leite.

Riscos de consumo e efeitos colaterais

Pessoas que tenham algum tipo alergia ou intolerância à lactose devem se certificar que o tipo de iogurte escolhido seja isento de lactose ou tenha um baixo teor desse tipo de açúcar.

Caso esteja fazendo o uso de antibióticos da classe das tetraciclinas, não faça a ingestão de iogurte. O cálcio diminui a eficácia destes medicamentos. Exemplos: Tetraciclina, Minociclina, Demeclociclina. O Iogurte também diminui a eficácia do antibiótico Ciprofloxacina.

Os imunossupressores são medicamentos que diminuem as nossas defesas imunológicas. Logo, se você estiver fazendo um tratamento com esses agentes terapêuticos, deixe de comer o iogurte, pois os probióticos podem se desenvolver além do limite saudável. Exemplos: Corticosteroides, Prednisona, Azatioprina, etc. Pacientes imunocomprometidos, como os transplantados e os portadores do vírus HIV, também devem evitar o consumo de Iogurte pelos mesmos motivos.