Greenpeace lança e-book de receitas ‘Quarentena sem Carne’

O Greenpeace lança um livro de receitas vegetarianas para enfrentarmos a quarentena e o isolamento social. Gratuito, o e-book “Quarentena sem Carne” traz comidas fáceis e nutritivas para fazer em casa.

A epidemia da Covid-19 no Brasil levou grande parte da população a ficar em casa, para proteger a si mesmo e os outros. O isolamento social pode ser difícil por vários motivos, dentro da realidade de cada pessoa. Para ajudar as pessoas a passarem por essa grave crise mundial da melhor forma possível, e ao mesmo tempo seguir na luta por um planeta mais verde e justo, o Greenpeace criou o “Quarentena Sem Carne”, um pequeno livro gratuito com várias receitas fáceis, saborosas e nutritivas.

Elas foram sugeridas por chefs, nutricionistas e influenciadores que defendem uma boa alimentação para ajudar a lidar com a ansiedade, se manter em forma, entreter as crianças e, claro, descobrir novos sabores e ingredientes durante este período em casa.

Leia também: Transgênicos Parte 1 – o que são e suas aplicações

Leia também: Agrotóxicos e o impacto na nossa alimentação

Produção de proteína animal – um grande problema global

Todas as receitas são vegetarianas ou veganas porque, para quem pode escolher o que comer, o Greenpeace incentiva a redução drástica do consumo de carne e derivados, para cuidar da saúde de quem come, dos animais e do meio ambiente!

A agropecuária é hoje uma das principais causas do desmatamento de florestas no mundo e responsável por cerca de 60% das emissões dos gases do efeito estufa que provocam as mudanças climáticas.

Segundo Adriana Charoux, porta-voz da campanha de Florestas do Greenpeace, o impacto do modelo atual de produção agrícola no Brasil, especialmente de proteína animal, é um dos maiores problemas, e por isso precisamos buscar as soluções.

“Tornar viável a diminuição ou substituição da ‘mistura’ nossa de cada dia por alimentos nutritivos, à base de plantas, é parte da solução que governos e empresas têm o dever de estimular, como direito de todos e não um luxo para poucos. Para nós consumidores, em meio à quarentena que nos tira da zona de conforto, fica o convite para embarcarmos nessa aventura gastronômica e se abrir para experimentar novos sabores”, explica.

Momento de reflexão

O livro também é um convite à reflexão sobre um futuro melhor e mais justo para quando a crise do coronavírus passar.

O sistema alimentar e econômico atual coloca as populações mais vulneráveis em constante fragilidade, como agora. Mudanças na forma como consumimos nossa comida  são o primeiro passo para provocarmos as modificações estruturais que precisamos. E todos nós somos responsáveis por isso, cidadãos, governos e empresas.

Baixe o e-book

Disponível em formato pdf, o livro traz 14 receitas que vão da feijoada vegana ao bolo de banana com pasta de amendoim, sem esquecer de preparados internacionais, como o shakshuka de espinafre com ovo. Há ainda dicas de alimentação saudável fornecidas pela nutricionista Jéssica Stein.

Baixe o e-book “Quarentena Sem Carne” gratuitamente através deste link.

O Greenpeace

Greenpeace, fundado em 1971 por um grupo de ativistas canadenses, é uma organização não governamental ambiental com sede em Amesterdã, nos Países Baixos, e com escritórios espalhados em mais de 55 países. Atualmente, possui cerca de três milhões de colaboradores em todo o mundo (oitenta mil no Brasil, através do Greenpeace Brasil), que doam quantias mensais que variam de acordo com o país. O grupo não aceita recursos de governos, empresas e partidos políticos.

Atua internacionalmente em questões relacionadas à preservação do meio ambiente e desenvolvimento sustentável, com campanhas dedicadas às áreas de florestas, clima, nuclear, oceanos, engenharia genética, substâncias tóxicas, transgênicos, agrotóxicos e energia renovável. A organização procura sensibilizar a opinião pública através de atos, publicidades e outros meios. Sua atuação é baseada nos pilares filosófico-morais da desobediência civil e tem, como princípio básico, a ação direta pacífica.

Fontes: Ciclo Vivo; Wikipédia