Estragão muito usado na cozinha internacional

O estragão (Artemisia dracunculus) é uma erva bastante importante na cozinha, tendo um uso bastante difundido na culinária francesa. Com um aroma bem forte e específico, suas folhas tem sabor adocicado e levemente picante, similar ao do anis. Embora também seja utilizado para fins medicinais, devido as suas propriedades terapêuticas, o estragão é muito usado na cozinha internacional, para o preparo de inúmeros pratos, inclusive no preparo dos famosos molhos (sauces) béarnaise, tartare e hollandaise.

As folhas do estragão, assim como as de outras ervas utilizadas na culinária, podem ser usadas tanto verdes e frescas quanto secas, dependendo sobretudo do que exigem as receitas específicas. O ideal é acrescentá-la apenas na finalização de pratos quentes. Esta planta também pode utilizada para preparar um sal de ervas, o que diminui o consumo de sal refinado.

Devido ao seu gosto acentuado, as folhas do estragão são excelentes para condimentar sopas, molhos, recheios, pratos de peixe, pratos de aves, carne de bovino assado e bifes. Por ter um aroma parecido ao de anis, a planta também combina com sobremesas feitas de maçã, por exemplo. Além disso, também acrescenta um excelente sabor a omeletes, caranguejos, ovos cozidos e cottage.

Leia também: Ervas aromáticas

Leia também: Radicais livres benefícios e danos que eles podem causar à saúde

O estragão é rico em vitamina C e, ainda possui em sua composição nutricional vitaminas A e D, vitaminas do complexo B (folatos, pirixodina, niacina, riboflavina e cobalamina), fibras alimentares, além de minerais como cálcio, ferro, fósforo, sódio, zinco e magnésio.

Benefícios do estragão

– Promove a saúde do fígado e da vesícula biliar: Um dos maiores benefícios do estragão para a saúde é que ele favorece a produção de bile pelo fígado, consequentemente, expulsando-a e deixando o fígado limpo. Com essa ação, o corpo também protege a vesícula biliar de sofrer danos por conta da bile, e de quebra ainda ajuda na prevenção de cálculos no órgão.

– Auxilia a digestão e regula o intestino: É possível consumi-lo como chá de infusão depois de uma refeição muito pesada, para facilitar o processo digestivo e combater a presença de gases. Também regula o intestino pela quantidade de fibras alimentares que possui. Além disso o consumo de estragão, em forma de chá, é eficaz para tratar a presença de vermes e parasitas, expulsando-os do nosso corpo de forma eficaz e sem maiores incômodos.

– Reduz o açúcar no sangue: Além de ajudar a reduzir os níveis de açúcar no sangue, o estragão pode melhorar a sensibilidade à insulina e mudar a maneira como o corpo metaboliza a glicose. Uma das funções do hormônio insulina é trazer a glicose até as células, onde ela será usada para gerar energia. Fatores como o tipo de dieta adotada podem causar a resistência à insulina, o que dificulta a atividade hormonal e eleva os níveis de glicose no sangue. 

– Aumenta o apetite: Desequilíbrios hormonais na grelina (hormônio da fome) e leptina (hormônio da saciedade) interferem no apetite. Altos níveis de grelina induzem a fome enquanto que níveis altos de leptina geram a sensação de saciedade. Uma descoberta da Louisiana State University (Universidade do Estado de Louisiana nos Estados Unidos) publicada em 2011 na revista Diabetes atestou que a administração de extrato de estragão foi capaz de reduzir a secreção de insulina e leptina e de aumentar o peso corporal. Tais resultados indicam que o estragão aumenta a fome e que ele pode ser bastante útil para pessoas que precisam ganhar peso, como é o caso de pessoas que sofrem de anorexia.

– Trata dores de dentes: De acordo com pesquisas realizadas, como a publicada em 2013 na revista científica Experimental and Therapeutic Medicine, a planta contém eugenol, substância com propriedades anestésicas. Por esse efeito o estragão tem a capacidade de deixar a boca dormente,sendo utilizado para aliviar dores nos dentes. No tratamento de dor de dente, é possível utilizar tanto a raiz quanto as folhas frescas. Deve-se mastigá-las e deixar que a pasta que se forma atue sobre a área afetada.

– Possui propriedades antioxidantes: Além da vitamina C, que comprovadamente é um excelente antioxidante, o estragão possui em sua composição um fenilpropeno, o estragol, que também é muito eficiente no combate aos radicais livres. Os radicais livres são agentes que causam problemas cardíacos, cerebrais, doenças degenerativas e até mesmo potencializam o aparecimento de cânceres.

– Auxilia a saúde feminina: Alguns homeopatas incentivam o uso da erva para manter a saúde do sistema reprodutivo feminino, para aliviar as cólicas menstruais e para estimular a menstruação.

Riscos de consumo e efeito colaterais

Embora contenha folato, um nutriente indispensável para a formação do sistema nervoso do feto, grávidas devem evitar o consumo exagerado do estragão, pois a erva pode induzir o trabalho de parto precoce ou causar o aborto, pois induz a contrações uterinas.

O estragão ajuda a prevenir os cálculos biliares, mas não deve ser consumido por quem já sofre deles.

Há também as interações medicamentosas, como o uso de anticoagulantes, já que o estragão possui a capacidade de inibir a ativação das plaquetas. Por isso, mesmo sendo um produto natural, neste caso, um profissional de saúde deve ser consultado antes do consumo da planta.