Erva doce sabor refrescante e propriedades medicinais

A erva-doce (Pimpinella anisum), aromática de sabor doce e refrescante, também conhecida como anis-verde, anis e pimpinela-branca, é uma erva muito popular utilizada frequentemente na culinária (no preparo de saladas, marinadas, para temperar carnes, pães, bolos e outras sobremesas) e que possui inúmeras propriedades medicinais. Mas há outros benefícios que a erva-doce proporciona, como é o caso de seu valor em tratamentos medicinais alternativos e seu uso pela indústria de cosméticos no cuidado da pele, geralmente através do seu óleo.

Muitas vezes, a erva-doce é confundida com o funcho e o anis-estrelado, porém tratam-se de plantas diferentes e com propriedades diferentes. A erva doce possui uma rica composição nutricional composta por vitaminas A, C e vitaminas do complexo B, além de uma enorme quantidade de potássio. Mas ainda contém outros minerais em sua composição como: sódio, cálcio, magnésio, manganês, fósforo, selênio, zinco e cobre.

Leia também: Conheça melhor este mineral: o potássio

Leia também: Hortelã ajuda aliviar inúmeros problemas de saúde

Benefícios da erva doce

– Possui efeitos calmantes: A erva doce é muito conhecida pelos seus efeitos calmantes, obtidos através do seu chá, mas também pode ser usada como aromatizante de ambientes com essa função. Quando colocada no interior de travesseiros, estimula o relaxamento de todo o corpo, melhorando a noite de sono, o que pode ser de grande ajuda no combate à ansiedade.

– Efeito antioxidante: O ácido cafeico, substância antioxidante, está presente na erva doce, além de flavonoides, que são importantes porque aumentam o nível de glutationa, nossa principal defesa antioxidante, sendo também um supressor eficaz da inflamação crônica.

– Controla a pressão arterial: A erva doce conta com boas quantidades de potássio, um eletrólito importante que se concentra no interior da célula. O potássio conta com propriedades vasoprotetoras, que ajudam a controlar a pressão arterial e a equilibrar o ritmo de batimentos cardíacos.

– Melhora as funções digestivas: A erva doce conta com ácido málico. Esta substância é um ácido derivado de alimentos de origem vegetal e as formas de sais de ácido málico, conhecidos como malatos ajudam no processo de produção de energia intracelular. Assim, o ácido málico pode ser usado para melhorar as funções digestivas do estômago.

Ainda previne a constipação, previne a sensação de inchaço e a retenção de líquido, bem como facilita o emagrecimento. Ainda, ajuda no tratamento de gases. 

– Previne infecções e inflamações: Ela contém vitamina C, que ajuda o organismo a desenvolver resistência contra agentes infecciosos e prejudiciais, além de combater os radicais livres pró-inflamatórios.

– Fortalece a imunidade: Por ser fonte de vitamina A e vitamina C, seu chá é um potente aliado da imunidade. Assim, garantindo que doenças como a gripe não prejudiquem o bem-estar do organismo. 

– Combate dores: Também, além de prevenir que adoecemos, a erva doce ajuda a combater dores. Por isso, é excelente para combater a dor de cabeça, muitas vezes ocasionada por resfriados.

– Reduz cólicas menstruais: Suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias que ajudam a aliviar as tensões musculares, controlando e regulando a cólica menstrual.

– Trata a pele: Na fabricação de cosméticos, o óleo essencial de erva-doce pode ser utilizado para produzir sabonetes, hidratantes e perfumes, que ajudam a remover as impurezas da pele e a tratar rugas. Sua aplicação sobre as pálpebras reduz as marcas da idade, proporcionando o rejuvenescimento da pele também na área expressiva dos olhos.

Riscos de consumo e efeitos colaterais

A erva-doce geralmente não causa nenhum efeito colateral, principalmente se utilizada em quantidades adequadas, porém em alguns casos raros, podem surgir náuseas, vômitos e reações alérgicas, quando consumida em excesso.

A erva-doce está contraindicada para mulheres com câncer de mama, pois altera os hormônios femininos, como o estrogênio e isto pode influenciar no tratamento de câncer. Esta planta também deve ser evitada por pessoas que fazem suplementação com ferro, pois pode prejudicar a absorção deste nutriente.