Entenda o curso e a profissão de nutricionista – Parte 1

A responsabilidade de escolher uma profissão, de entender qual é a sua aptidão e de identificar em qual área profissional você se encaixa não é uma tarefa fácil. Mas, se você perceber que é atraído por carreiras da área da saúde e que gosta de temas relacionados com alimentação, a nutrição pode ser a carreira certa. Nós do Nutrição & Prazer, vamos te ajudar para que entenda melhor o curso e a profissão de nutricionista. Por se tratar de um assunto extenso, estaremos publicando o artigo em duas partes: Entenda o curso e a profissão de nutricionista – Parte 1 e Parte 2.

Saiba como é a faculdade, os estágios, a grade curricular, quais são as áreas de atuação, o mercado de trabalho e tudo que é importante saber para fazer uma boa escolha e se tornar um profissional da nutrição.

Leia também: Qual o papel do nutricionista?

Leia também: A influência da psicologia alimentar na nutrição

O que é nutrição?

A nutrição é uma ciência que estuda a relação entre a alimentação e um organismo. É um curso da área da saúde que engloba estudos da interação entre os nutrientes e o corpo humano, das necessidades nutricionais em todos os estados clínicos (seja na saúde, seja na doença) e em todos ciclos da vida (do bebê ao idoso).

A importância da nutrição

A profissão do futuro é, segundo muitos estudiosos, nutricionista. Isso porque vários problemas de saúde pública, no Brasil e no mundo, estão relacionados com a má alimentação, e se intensificando cada vez mais. Doenças como obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e hipertensão arterial são alguns exemplos de enfermidades que podem ser tratadas a partir de uma adequada alimentação e acompanhamento de nutricionista.

Veja alguns exemplos de situações onde uma abordagem nutricional é necessária:

– Prevenir doenças e promover a saúde.

– Praticar esportes e saber o que comer antes e depois dos treinos.

– Fazer a transição alimentar do bebê entre o aleitamento materno e a alimentação complementar.

– Manter com o corpo em forma e dentro do peso adequado.

– Melhorar a qualidade de vida, vigor e ânimo.

O curso e a faculdade de nutrição

O curso tem aulas teóricas e práticas em laboratórios (como o de anatomia humana, técnica dietética e avaliação nutricional), onde os alunos têm a oportunidade de aprender experimentalmente: como é o corpo humano, técnicas de preparo dos alimentos e avaliação corporal.

A faculdade fornece ao graduando formado o título de ‘Bacharel em Nutrição’. O tempo do curso pode variar de 8 a 10 semestres (dependendo da faculdade e do turno de estudo) e, ainda, é necessária a realização tanto de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) quanto a de um estágio supervisionado para o recebimento do diploma.

A grade curricular

A grade curricular de nutrição é bem abrangente com a maior parte das matérias da área biológica, mas também abrange, com menor intensidade, a humanas e exatas. Isso se dá porque é um curso da saúde, mas que também precisa entender de comportamento humano e sobre cálculos das dietas. A seguir, algumas disciplinas a serem contempladas durante a graduação:

– Anatomia Humana;

– Fisiologia Humana;

– Bioquímica;

– Nutrição e Dietética;

– Composição dos Alimentos;

– Saúde Pública;

– Psicologia da Nutrição;

– Técnica Dietética;

– Gastronomia;

Bromatologia;

– Análise Sensorial dos Alimentos;

– Farmacologia;

– Imunologia;

– Nutrição nos Ciclos da Vida;

– Nutrição Esportiva;

– Nutrição Funcional;

– Alimentação Coletiva;

– Planejamento de Cardápio;

– Nutrição e Meio Ambiente;

Patologias;

– Dietoterapia;

– Ética e Nutrição;

– Alimentação e Cultura;

– Química;

Microbiologia;

Genética;

– Gestão de unidades de refeição.

Nutrição EAD

A opção de ensino a distância (EAD) surge como uma alternativa para sair da grande concorrência de candidatos por vaga das universidades públicas e dos altos valores das mensalidades das faculdades privadas. A nutrição EAD tem uma distribuição de aulas online e presenciais. É uma exigência do MEC que exista um percentual significativo de carga horária presencial, devido ao curso de ter um caráter tão prático. Sendo assim, 40 % das aulas são online e 60% presenciais em sala de aula e laboratórios.

O estágio

Normalmente, os últimos períodos da faculdade têm os estágios obrigatórios supervisionados. Algumas instituições fazem 3 estágios obrigatórios: nutrição clínica, nutrição social (saúde pública) e alimentação coletiva. Geralmente, as universidades já firmam convênios com hospitais, centros de saúde e restaurantes para encaminharem seus alunos.

Vale destacar ainda que todos os estágios são acompanhados pelos preceptores (nutricionista responsável técnico do setor) e pelos professores da universidade, isto é, o aluno sempre é orientado, até porque ainda está em processo de aprendizagem.

O estudante também pode e deve fazer estágios extracurriculares, escolhendo assim as áreas em que gostaria de trabalhar e pleitear vagas de emprego. Isto fará com que ele tenha a oportunidade de conhecer a realidade do setor e avaliar se é aquilo mesmo que ele imaginava. Esse é um período em que o graduando deve se preocupar primeiramente em aprender e adquirir experiência.

Em relação à remuneração, os salários podem variar bastante, assim como a carga horária, ficando na média de R$ 2.300 por mês, segundo a Catho.

Fazer vários estágios durante a graduação é uma excelente opção, porque proporciona ao estudante aumentar o seu leque de contatos, o que pode refletir em um bom emprego depois de formado.

Áreas de atuação

Nutrição Clínica

É o ramo que atua em prevenção e tratamento de enfermidades. O nutricionista clínico trabalha em hospitais, clinicas, consultórios particulares, unidades de pronto atendimento, unidades de referência secundária. Algumas das mais comuns patologias a serem tratadas são: doença renal crônica, diabetes, câncer, doenças cardiovasculares, hipertensão, pós-cirúrgicos, entre outras.

Saúde Coletiva, Nutrição Social ou Saúde Pública

O profissional vai atuar nos setores públicos do país, ou seja, no Sistema Único de Saúde (SUS), Unidades de Pronto Atendimentos (UPA), centros de saúde, integrando a equipe do Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF), em Unidades de Referência Secundária (URS). Neste caso também se estudam as políticas públicas de saúde e os programas de nutrição do governo que visam cuidar da saúde e atender à população.

Nutrição Esportiva

É o ramo que trabalha com atletas (amadores e profissionais) e com praticantes de atividade física. Os locais são os mais diversos: academias, centro esportivos, clubes de esporte ou, como contrato para acompanhar um atleta em específico, geralmente em parceria de um ‘personal trainner’. A alimentação adequada em quantidades, qualidade e horários fazem total diferença para o rendimento desses atletas, podendo culminar na vitória ou na derrota da competição.

Alimentação Coletiva

Conhecida pelos nutricionistas como “produção”, é a parte da nutrição que se aplica produzir e servir refeições. Quem está nesse ramo pode trabalhar para o setor público ou privado, como em:

– Restaurantes populares: Uma iniciativa do governo em vender refeições a baixo custo. É uma estratégia da política de segurança alimentar e nutricional.

– Serviços de Nutrição e Dietética (SND): Em outras palavras, é a cozinha que produz as refeições dos pacientes em um hospital.

– Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN): O profissional atua internamente em empresas e indústrias.

– Restaurantes comerciais e de instituições, como universidades ou escolas.

Esse setor de atuação exige habilidades não só de nutrição, mas também de gestão, administração e liderança, visto que o nutricionista é o gestor da unidade. É o responsável por comandar a equipe, contratar e treinar funcionários, fazer as compras, controlar os custos e estoque.

Na alimentação coletiva, é preciso ter o controle higiênico-sanitário para que a refeição servida seja isenta de contaminação, seja ela física (pedaço de plástico, fio de cabelo, vestígios de embalagens etc.), química (insumos químicos, inseticidas, metais pesados, aditivos não autorizados, detergente) ou biológica (bactérias, vírus, fungos, protozoários).

Nutrição Funcional

Nessa linha, o nutricionista da área clínica atua com um olhar de rastreamento de sinais e sintomas do paciente e fornecendo um tratamento nutricional individualizado, sendo respeitada a bioquímica de cada um. O tratamento nutricional é feito por orientações nutricionais, prescrição de uma dieta rica em alimentos ditos como funcionais e suplementação de nutrientes, quando necessário.

Nutrição Comportamental

Uma linha da nutrição bem atual, em que o paciente é visto como um todo. Assim, como toda a sua rede, como aspectos sociais, culturais, familiares, emocionais e tudo o que envolve o ato de comer. Nessa abordagem, o alimento não é visto apenas como um emaranhado de nutrientes como carboidratos, proteínas, gorduras, mas também que tipo de memórias e sensações aquele alimento traz.

Pode-se dizer que a esta área da nutrição é uma visão mais holística e pois é levado em conta a relação que esse indivíduo tem com a comida.

Fonte: Stoodi; Que curso?