Doença celíaca caracterizada pela intolerância ao glúten

Doença celíaca, também chamada de “enteropatia sensível ao glúten”, é uma doença autoimune crônica do intestino delgado, uma condição clínica genética caracterizada pela intolerância permanente ao glúten, causada por uma reação à gliadina, uma prolamina (proteína do glúten) presente em grãos como o trigo, no centeio, na cevada, na aveia e no malte. Embora exista uma variedade cada vez maior de produtos com o rótulo “sem glúten” nas prateleiras e gôndolas dos comércios, ainda há muita desinformação a respeito da doença.

Na doença celíaca as próprias células de defesa imunológica agridem as células do organismo, causando um processo inflamatório. Esse processo inflamatório, que no caso ocorre na parede interna do intestino delgado, leva à atrofia das vilosidades intestinais, gerando diminuição da absorção dos nutrientes.

Nos países desenvolvidos, estima-se que 80% dos casos não cheguem a ser diagnosticados, geralmente devido à ausência de sintomas gastrointestinais e ao pouco conhecimento da doença entre a população. A doença celíaca é ligeiramente mais comum entre mulheres do que em homens.

Leia também: Afinal glúten é prejudicial à saúde?

Leia também: Tapioca um alimento tipicamente brasileiro

Doença celíaca X intolerância ao glúten

A doença celíaca é diferente da sensibilidade ou intolerância ao glúten. Se você tem sensibilidade ao glúten, pode ter sintomas semelhantes aos da doença celíaca, como dor abdominal e cansaço. Contudo, ao contrário da doença, a sensibilidade ao glúten não causa reações graves como a doença celíaca,  não danifica o intestino delgado e não tem relação com o sistema imunológico da pessoa.

Embora os sintomas sejam parecidos a intolerância ao glúten não tem relação com anticorpo algum. É por esse motivo que o diagnóstico da intolerância ao glúten é o mais difícil, feito através de tentativas e erro.

Sintomas da doença celíaca

Os sintomas clássicos incluem problemas gastrointestinais como diarreia crônica, distensão abdominal, má absorção intestinal e perda de apetite. Em crianças, pode ocorrer atraso no crescimento que geralmente se inicia entre os seis meses e dois anos de idade.

A doença celíaca é genética e costuma afetar várias pessoas da mesma família. Se você tem parentes de primeiro ou segundo grau com a condição, é indicado que consulte seu médico, caso ocorra algum sintoma, para fazer exames e investigar se possui a doença. Além do histórico familiar, existem outros fatores que aumentam as chances de ter doença, incluindo: diabetes tipo 1, síndrome de Down e doenças da tireoide.

Os sintomas da doença celíaca são muito variados e podem estar relacionados a vários outros problemas de saúde. Se você acha que tem a doença, consulte seu médico antes de eliminar o glúten da dieta.

Se não for tratada, com o tempo a doença celíaca pode levar a complicações bastante sérias, incluindo: cânceres intestinais, desnutrição,infertilidade e aborto espontâneo, osteoporose e problemas neurológicos, como epilepsia.

Tipos de doença celíaca

– Doença celíaca clássica: A doença celíaca clássica é comum na infância, entre o primeiro e terceiro ano de vida, quando se introduz alimentação à base de papinha de pão, sopinhas de macarrão e bolachas, entre outros industrializados com cereais proibidos. Porém, isso não impede que a doença também se manifeste em outros estágios, como em adultos.

– Doença celíaca assintomática: Nestes casos não há manifestação aparente. É apenas com pesquisa de anticorpos em familiares de primeiro grau que se faz o diagnóstico. Se não tratada, a doença celíaca assintomática pode evoluir com complicações como o câncer do intestino, anemia, osteoporose, abortos de repetição e esterilidade.

– Doença celíaca não clássica: A doença celíaca não clássica é caracterizada por apresentar poucos sintomas e, quando gastrointestinais, são sinais discretos. Ocorre, por exemplo, anemia resistente à reposição de ferro, irritabilidade, fadiga, pouco ganho de peso e estatura, obstipação crônica, manchas no esmalte dos dentes, esterilidade e osteoporose antes da menopausa.

Diagnóstico da doença celíaca

Os exames de sangue, através de marcadores sorológicos, são úteis para identificar os indivíduos que deverão ser submetidos à biópsia de intestino delgado. Caso seja necessário, para o diagnóstico definitivo da doença, é realizada a endoscopia digestiva alta com biópsia de intestino delgado. Os marcadores sorológicos também são úteis para acompanhamento do paciente celíaco, como, por exemplo, para detectar transgressão à dieta.

No entanto, o diagnóstico nem sempre é conclusivo. Em muitos celíacos, o exame aos anticorpos é negativo e muitos indivíduos apresentam apenas ligeiras alterações intestinais com vilosidades normais. Em alguns casos, o diagnóstico pode levar anos para ser confirmado, mesmo que as pessoas sejam examinadas e manifestem os sintomas.

Tratamento da doença celíaca

Por ser uma condição autoimune, ela pode ser apenas controlada. Pessoas diagnosticadas com doença celíaca precisam evitar completa e permanentemente a ingestão de glúten. Com a instituição de dieta totalmente sem glúten, há normalização da mucosa intestinal, assim como das manifestações clínicas. Porém, mesmo que a doença esteja controlada, se a proteína for introduzida novamente à dieta o intestino voltará a sofrer danos.

Mesmo quantidades mínimas de glúten podem ser prejudiciais para quem tem doença celíaca. E é preciso muito cuidado, porque evitar o glúten significa mais do que abrir mão de pães, bolos, massas e pizzas. Ele também se esconde em muitos outros produtos, incluindo queijos, cerveja, molhos, xaropes e até em alguns remédios, entre muitos outros produtos.

Por isso, é importante a orientação médica e nutricional. O profissional pode ajudar a identificar quais alimentos não contêm glúten e a planejar uma alimentação saudável e equilibrada sem a proteína.

Glúten presente em produtos de beleza

O glúten presente nos produtos de higiene e beleza não são uma ameaça para celíacos, a menos que seja ingerido acidentalmente. Isso é mais fácil de acontecer com produtos próximos da boca, tais como batom, protetor labial, pasta de dente e enxaguante bucal. Embora valha a pena procurar produtos sem glúten, nesses casos você não precisa se preocupar com maquiagens, xampus, hidratantes, etc.