Couves de Bruxelas um verdadeiro cocktail de vitaminas

As couves de Bruxelas são classificadas como legumes e fazem parte da família das brássicas, que englobam mais de 4 mil espécies, assim como o brócolis, couve-flor, repolho, couve, nabo, mostarda e agrião. Seu formato lembra pequenos repolhos e por isso, também é chamada de “repolhinho”. As couves de Bruxelas são muito nutritivas devido ao seu alto teor antioxidante e a um verdadeiro cocktail de vitaminas.

Normalmente são servidas como aperitivo, porém podem ser usadas de várias maneiras, e é principalmente recomendada como acompanhamento para carnes. Mas também podem ser usadas no preparo de sopas, ensopados e cozidos.

Trata-se de um alimento com poucas calorias (43Kcal a cada 100 gramas) e cerca de 3,4 gramas de proteínas também em uma porção de 100 gramas. Ricas em vitaminas K e C, vitaminas do complexo B (ácido fólico e colina), além de ser uma boa fonte de outros nutrientes, incluindo o manganês, cobre, fósforo e fibras alimentares.

Leia também: Couve um ícone da culinária brasileira

Leia também: Como reduzir em 80% as doenças cardíacas

Apresenta em menor proporção ômega-3, na forma de ácido alfa-linonênico. Além de carotenóides, substância que o organismo pode converter em vitamina A. A clorofila, responsável pela pigmentação verde das folhas das couves de Bruxelas, consiste num adjuvante frente à toxicidade das aflatoxinas, compostos produzidos por fungos.

Benefícios das couves de Bruxelas

– Equilibra os hormônios e evita a celulite: O excesso de estrogênio, hormônio feminino, pode gerar uma série de complicações no organismo das mulheres, desde descontrole emocional e do ciclo menstrual a complicações mais sérias, como endometriose e miomas uterinos. É importante consumir alimentos que ajudem a dar um maior equilíbrio hormonal, como é o caso das couves de Bruxelas. Seu consumo é recomendado por contar com nutrientes que atuam nessa função, como o que recebe o nome de indole-3-carbinol.

As couves de Bruxelas também pode funcionar para combater as celulites, também graças à presença do indole-3-carbinol. Isso acontece porque, ao controlar a produção de estrogênio, esse componente faz com que a pele fique firme e mais bonita por manter as ligações de colágeno intactas.

– Contribui com a perda de peso: Por ser rica em fibras, um dos principais benefícios das couves de Bruxelas é prolongar a sensação de saciedade entre uma refeição e outra. Sendo assim, para quem está em uma dieta para perder peso, o vegetal pode ser um ótimo aliado para evitar excessos durante a alimentação.

– Combate o envelhecimento precoce e aumenta a imunidade: As couves de Bruxelas também são fontes de várias vitaminas. Por exemplo, elas tem uma quantidade maior de vitamina C do que a presente na laranja. Por causa disso, entre os seus benefícios também está o aumento da imunidade e a ação antioxidante, que ajuda a evitar o envelhecimento precoce das células e o surgimento de doenças degenerativas como Alzheimer e Parkinson.

– Promove a saúde dos ossos: Além de ser uma boa fonte de cálcio, o consumo apropriado de vitamina K beneficia a saúde dos ossos por meio da melhoria da absorção do mineral e da diminuição da eliminação dele através da urina.

– Contribui com a saúde dos olhos: A vitamina C, outro nutriente fornecido pelas couves de Bruxelas, já se mostrou ser capaz de colaborar com a saúde dos olhos, podendo proteger contra o desenvolvimento de doenças como a catarata, que é uma opacidade parcial ou total do cristalino.

– Possui ação anti-inflamatória: A vitamina K pode apresentar um efeito anti-inflamatório, pois atua diretamente na regulação das respostas inflamatórias. As couves de bruxelas também oferecem ácidos graxos ômega-3, na forma de ácido alfa-linonênicoque é uma das substâncias mais bem estabelecidas com ação anti-inflamatória.

– Reduz o risco de doenças cardiovasculares: As fibras alimentares presentes nas couves de Bruxelas podem ser adjuvantes para a saúde cardiovascular. Isso ocorre considerando que o consumo de fibras pode auxiliar no controle do colesterol ruim (LDL), através da ligação e posterior excreção dos ácidos biliares produzidos no fígado que em última instância exige mobilização e redução do colesterol no organismo.

– Reduz o risco de câncer: Vários estudos sugerem que as couves de Bruxelas têm um potencial especial de combate ao câncer, graças ao poder antioxidante do vegetal. Os antioxidantes contidos nas couves de Bruxelas podem afastar os radicais livres nocivos que contribuem para doenças como o câncer.

– Contêm ácidos ómega-3 ALA: Para quem é vegan, as couves de Bruxelas são uma ótima forma de obter ómega-3. Estes ácidos gordos são cruciais para a saúde do cérebro, pois ajudam a adiar o declínio cognitivo e a combater a depressão e a ansiedade.

Riscos de consumo e efeitos colaterais

Por ser fonte de vitamina K, é importante que indivíduos sob uso de medicamentos que podem interagir com esta vitamina atentem ao consumo das couves de Bruxelas. Um destes medicamentos consiste na varfarina, que inibe certos fatores de coagulação dependentes de vitamina K. Para evitar influência sobre os mecanismos de coagulação do sangue estes pacientes devem controlar a ingestão de alimentos que contenham vitamina K.

Apesar de não muito bem elucidado o potencial efeito de interferência, alguns estudos sugerem que a presença de glucosinolatos, os mesmos componentes que provêm uma série de benefícios ao organismo, podem interferir na função tireoidiana, atuando como agente goitrogênico pela presença das substâncias tiocianato e goitrina que podem alterar a capacidade da tireóide em absorver o iodo e de sintetizar seus hormônios.

Para evitar este efeito adverso, alguns pesquisadores indicam o consumo das couves de Bruxelas cozida em virtude do fato de uma enzima, chamada mirosinase (a enzima mirosinase é que converte o glucosinolato em seus subprodutos e, dessa forma, os agentes goitrogênicos não estariam presentes), ter sua atividade interrompida pela exposição ao calor.