Cartilha ensina como desenvolver horta urbana

Toda cidade, bairro ou mesmo edifício deveria ter sua própria horta urbana. Além de oferecer produtos de melhor qualidade e fazer bem para a saúde fisiológica e financeira da população, as hortas urbanas ainda interferem positivamente nas condições ambientais e até na temperatura das cidades. Para quem sonha com sua própria horta em meio a uma grande cidade mas não possui espaço para plantar as folhas, frutas e legumes, o Instituto Pólis desenvolveu uma cartilha que ensina como desenvolver sua horta urbana.

Além de detalhar cada etapa do processo de feitura de uma horta urbana, a cartilha fala também das melhores espécies para serem plantadas em cada condição. A cartilha apresenta informações importantes sobre solo, plantio, tratos de cultura, cultivos em espaços pequenos, controle de pragas, compostagem, água, aproveitamento total dos alimentos – com receitas que utilizam, por exemplo, talos de verduras e restos de legume, além de diversas outras receitas.

Leia também: Supermercados estão cultivando alimentos ‘indoor’

Leia também: Agrotóxicos e o impacto na nossa alimentação

A questão do espaço é central no desenvolvimento das hortas urbanas, e é também tratado na cartilha em detalhes. O livreto mostra as possibilidades de cultivo em corredores de edifícios, nas varandas de casas e apartamentos, em garagens e outros locais improváveis, a partir de ventilação e luz solar adequadas. A produção de biofertilizantes é também tema da cartilha.

Baixe a cartilha gratuitamente clicando no link: QUERO MINHA CARTILHA

Conheça o Instituto Pólis

Fundado em 1987, o Instituto Pólis (https://polis.org.br/) é uma organização não governamental de atuação nacional e internacional. Atuam na construção de cidades mais justas, sustentáveis e democráticas, por meio das seguintes áreas: Reforma Urbana (Direito à Cidade e Urbanismo), Democracia e Participação (Juventudes, Formação e Participação Cidadã), Inclusão e Sustentabilidade (Resíduos Sólidos, Desenvolvimento Local e Segurança Alimentar e Nutricional) e Cidadania Cultural (Convivência e Paz e Mídias Livres).

Concentram-se no plano das relações entre as representações da cidadania e os governos locais, nas políticas públicas e nos processos de participação popular e fortalecimento dos movimentos sociais, na organização de fóruns e redes, na análise da gestão municipal e de políticas públicas.

Realizam seminários e debates públicos, atividades de capacitação, mapeamentos socioculturais, consultorias, além da articulação de ONGs e da atuação em conselhos municipais e nacionais e em redes e fóruns.