Betacaroteno um pigmento antioxidante natural

O betacaroteno é um pigmento carotenoide antioxidante natural, encontrado em plantas e responsáveis pelas cores vibrantes deles. Uma vez ingerido, o betacaroteno pode ser convertido em vitamina A ou agir como um antioxidante para ajudar a proteger as células dos efeitos nocivos dos radicais livres. Existem mais de 600 pigmentos carotenoides encontrados em frutas e vegetais de cor verde, vermelha, laranja e amarela.

A vitamina A pode ser obtida de duas maneiras, a primeira é através de alimentos de origem animal, sob a forma de retinoides, esta também é conhecida como retinol. A outra maneira do nosso organismo obter vitamina A é pela ingestão de betacaroteno, por isso ele é chamado de “pró-vitamina A”, ou seja, o betacaroteno é um precursor para a produção de vitamina A no organismo, por ter capacidade de biotransformação, que ocorre na mucosa do intestino. Aproximadamente 50% da vitamina A do nosso organismo provém dessa segunda forma, ou seja, através da ingestão de betacaroteno.

O betacaroteno também pode ser encontrado em forma de suplementação, mas esse tipo de suplementação só é recomendado quando são detectados os sintomas da deficiência do nutriente. O que é difícil acontecer, já que é fácil alcançar as recomendações de ingestão diária desse nutriente, como veremos mais adiante. No caso de pessoas que não ingerem frutas e vegetais a suplementação pode ser necessária, contudo, ela deve ser feita sempre com a orientação médica.

Leia também: Vitamina A: sua importância e sua toxicidade

Leia também: O papel dos antioxidantes em nosso organismo

Benefícios do betacaroteno

– Combate doenças cardíacas: O betacaroteno tem sido apontado no combate às doenças cardíacas. Uma pesquisa realizada na Universidade Harvard revelou que o consumo diário de 50 miligramas desse nutriente reduz em 50% o risco de infarto do miocárdio, de AVC e de mortes causadas por outros problemas cardiovasculares. Alguns estudos ainda mostraram que ele pode evitar que o mau colesterol (LDL) agrida o coração e os vasos coronarianos. 

– Proporciona a saúde dos ossos: O betacaroteno ajuda no crescimento ósseo estimulando a produção de colágeno, que faz parte da matriz óssea para fixação dos minerais como cálcio, fósforo, magnésio e boro.

– Reduz o risco de câncer e fortalece o sistema imune: Algumas atividades biológicas têm sido atribuídas aos carotenoides, como fortalecimento do sistema imunológico e diminuição do risco de doenças degenerativas como câncer, por neutralizar os radicais livres. De acordo com a publicação “Fontes Brasileiras de Carotenoides”, do Ministério do Meio Ambiente, estudos comprovaram que, como antioxidante, o betacaroteno pode reverter algumas doenças pré-cancerosas. Além disso, já foi constatado que inibe o crescimento de células anormais, fortalece o sistema imunológico, fortifica as membranas celulares e aumenta a comunicação entre as células.

– Ajuda na saúde da pele: O betacaroteno ajuda no combate aos radicais livres que envelhecem a pele e colabora, tanto para estimular a produção do colágeno, como dito acima, como para preservar o colágeno, o que aumenta a elasticidade e a tonicidade da pele, considerado o maior órgão do corpo humano e o mais pesado.

Além disso, o betacaroteno contribui para um belo bronzeado, isto porque ele ajuda na formação de melanina, que tem como função a pigmentação da pele e a proteção contra a radiação solar.

– Protege a visão: O betacaroteno protege a superfície ocular (córnea) e as estruturas que compõem o olho. Esta ação melhora o olho seco e algumas conjuntivites inflamatórias. Ele é essencial para a visão e pode contribuir para reduzir a incidência de catarata junto com outros antioxidantes.

Ingestão recomendada

Para manter os níveis corretos de betacaroteno, basta ter uma alimentação variada, com frutas, legumes e verduras, consumidos diariamente. É fácil atingir a recomendação diária de ingestão dessa substância: 100 gramas de cenoura crua contém quatro vezes a recomendação diária do nutriente. Já 100 gramas de batata doce contém seis vezes a orientação de betacaroteno do dia.

Para aumentar a absorção e a biodisponibilidade do betacaroteno é sempre interessante incluir algum alimento gorduroso na refeição, como castanhas ou nozes no suco, e azeite na salada, no legume cozido e na sopa, já que a as vitaminas lipossolúveis, como é o caso da vitamina A, são absorvidas quando há presença de lipídeos (gordura), bile e suco pancreático.

Também é importante dizer que a ingestão alimentos ricos em vitamina C e de vitamina E, juntamente com alimentos ricos em betacaroteno também é extremamente indicado, isto porque os três nutrientes possuem forte ação antioxidante e agem de forma conjunta para proporcionar este benefício.

Deficiência de betacaroteno

Na deficiência de betacaroteno pode acontecer redução da capacidade antioxidante do corpo, danos à visão podendo levar à cegueira, supressão da imunidade, alterações da pele, enfraquecimento das unhas e cabelos. 

A deficiência de betacaroteno é um problema comum em países em desenvolvimento. Por isso, de acordo com a Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), alimentos biofortificados têm sido desenvolvidos por pesquisadores brasileiros para levar à mesa nutrientes aos quais algumas populações têm pouco acesso, seja pelo fator geográfico ou por questões culturais da alimentação. 

Riscos de consumo e efeitos colaterais

Consumir grande quantidade de betacaroteno não é perigoso para o organismo. O único efeito colateral conhecido pelo excesso do mesmo é o aparecimento de uma coloração amarelada/alaranjada na pele, que é inócua e não deixa sequelas, que desaparece com a redução do consumo, denominada por hipercarotenodermia.

Contudo,o consumo de quantidades diárias de 30 miligramas sob a forma de suplementação farmacológica de betacaroteno, por parte de fumantes, foi associado a um aumento de risco de cancro de pulmão. Por outro lado a ingestão fisiológica de betacaroteno, pela alimentação, não tem este efeito.