Apimente sua vida

As pimentas variam de acordo com sua origem e seu poder de picância, mas todas trazem benefícios para a saúde, pois são ricas em capsaicina, um poderoso antioxidante e anti-inflamatório. Elas também auxiliam na prevenção de doenças degenerativas como Alzheimer e Parkinson. Como se não bastasse as pimentas tornam os pratos muito mais saborosos, cheirosos e coloridos. Apimente sua vida e seja muito mais saudável.

Os tipos de pimenta mais usados no Brasil são a pimenta do reino, pimenta de cheiro e pimenta malagueta, que são adicionadas principalmente para temperar carnes, peixes e mariscos, além de poderem ser usadas em molhos, massas e risotos.

Cientistas da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, analisaram informações de 16 mil pessoas ao longo de quase duas décadas. Analisando dados sobre morte e suas causas, eles descobriram que o índice de mortalidade era 13% menor entre aquelas que comiam pimentas pelo menos uma vez por mês. Embora não tenham desvendado totalmente os porquês, os benefícios são atribuídos à capsaicina, o carro chefe entre as substâncias presentes na pimenta.

Nem todas as pimentas trazem uma lista tão grande de vantagens, é preciso que a pimenta seja do gênero Capsicum. Esse grupo de pimentas já eram consumidas pelos índios brasileiros e em toda a América Latina antes mesmo da chegada dos europeus no Novo Mundo. Essas pimentas são os tipos mais interessantes para a saúde porque têm como princípio ativo os capsaicinoides.

As principais pimentas do gênero Capsicum produzidas no Brasil são: jalapeño, pimenta de cheiro, pimenta de bode, cumari do Pará, malagueta, dedo de moça, murupi, biquinho e cambuci. Ao contrário das pimentas da família das Piperaceas, como a pimenta do reino, pimenta rosa ou branca. A quantidade de capsaicinoides de cada uma destas pimentas varia de acordo com a ardência dos frutos, quanto mais picante, maior a quantidade do princípio ativo.

Leia também: Vitamina A sua importância e sua toxicidade

Leia também: A alimentação interfere no desempenho sexual?

A ardência do fruto é expressa por uma escala sensorial denominada Scoville Heat Units (SHU) ou Unidades de Calor Scoville. Os seus valores variam de zero para pimentas “doces” até um milhão de SHU para pimentas extremamente picantes.

Conheça os benefícios da pimenta

– Ajudam a emagrecer: A pimenta é um alimento termogênico, que aumenta a temperatura corporal, capaz de aumentar o gasto calórico do organismo durante a digestão e o processo metabólico. A substância responsável por isto é a capsaicina que aumenta a taxa metabólica em até 20%. Assim, o consumo de 6 gramas de pimenta queima cerca de 45 calorias.

Além disso, alguns estudos experimentais apontam que o fruto diminui o desejo de ingerir proteínas, carboidratos e gorduras. Isto provavelmente ocorre porque a pimenta aumenta a atividade do sistema nervoso simpático que afeta o comportamento de ingestão alimentar;

– Combate o câncer: Um estudo publicado no The Journal of Cancer Research dos Estados Unidos, em 2006, descobriu que a capsaicina induz a apoptose, morte celular programada, em células do câncer de próstata. Assim, ela contribui para evitar a proliferação da doença. Alguns estudos, também sugerem que a capsaicina ajudaria a reduzir o crescimento de tumores nas mamas,  ovários e até a reduzir o risco de doenças como o Mal de Alzheimer e Parkinson;

– Ajuda o coração: A capsaicina também ajuda a diminuir os níveis do colesterol ruim, LDL. O fruto ainda pode reduzir coágulos no sangue por ter ação vasodilatadora e aumento da excreção fecal de gorduras. O resultado é a redução do risco de problemas como hipertensão, infarto e outras doenças cardiovasculares;

– Protege o estômago: Alguns estudos defendem que a capsaicina presente nas pimentas tem um efeito gastroprotetor, pois aumenta a produção do muco gástrico. Ela também pode combater a bactéria que provoca gastrites e úlceras estomacais;

– Boa para os dentes: A pimenta estimula a salivação e desta forma neutraliza os ácidos da saliva e protege os dentes e gengivas. Além disso, ela é rica em vitamina C que fornece resistência aos ossos e dentes;

– Ajuda na saúde ocular: Os carotenoides, o mesmo pigmento vegetal da cenoura, também estão presentes nas pimentas. Eles são bons para o organismo porque se transformam em vitamina A.  Cerca de meia colher de sopa de pimenta dedo de moça desidratada em pó pode suprir a necessidade diária de vitamina A, que é de 600 microgramas.

A vitamina A é necessária para a função das células nervosas (fotorreceptores) sensíveis à luz na retina do olho. Ela também ajuda a manter saudável a pele e o revestimento dos pulmões, do intestino e do trato urinário, e protege contra infecções;

– Auxilia na congestão nasal: A capsaicina presente nas pimentas atua como anti-histamínico para limpar a congestão nasal, bem como ajudar a tratar um corrimento nasal. Ela também ajuda a aumentar a circulação, o que irá aquecer a região nasal, consequentemente, aliviando a congestão;

– Aumenta o libido: O consumo da substância capsaicina libera endorfinas que na circulação causam a sensação de bem-estar. Assim, por causa dessa sensação de bem-estar, a pessoa poderia estar mais receptiva ao sexo, sem que haja nenhuma influência direta no desejo sexual.

Contra indicações e riscos de consumo

Não existem dados científicos que comprovem que a pimenta causa úlceras ou outros distúrbios digestivos. Porém, por precaução o recomendado é que pessoas que já têm úlcera ou gastrite, evitem o consumo em excesso do fruto. Quem tem hemorroidas também deve tomar cuidado com a pimenta, isto porque em grandes quantidades ela pode levar a irritação do endotélio, que constitui a camada celular interna dos vasos sanguíneo.

Fontes: Agência UFRJ de Notícias; Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável e Regina Célia Rodrigues de Miranda Milagres, mestre em Ciências da Nutrição pela Universidade Federal de Viçosa