Aminoácidos desempenham papéis importantes no organismo

Aminoácidos são compostos que desempenham papéis importantes no organismo, como melhorar o humor, o sono, o desempenho físico e diminuir a perda muscular. Eles são compostos orgânicos formados, basicamente, por nitrogênio, carbono, hidrogênio e oxigênio.

Em suma podemos dizer que os aminoácidos são fundamentais como subunidades na construção das proteínas, que são macromoléculas essenciais para os seres vivos e atuam em diversas funções importantes. Cada uma dessas macromoléculas (proteínas) é formada por uma longa cadeia de aminoácidos, os quais são ligados por meio de ligações peptídicas (formando os peptídeos e as proteínas). Os 20 tipos de aminoácidos diferentes existentes combinam-se de diferentes formas, dando origem a diferentes proteínas. Uma molécula de proteína pode apresentar centenas de aminoácidos unidos, a hemoglobina, por exemplo, é formada por 547 aminoácidos.

Com as mais de trilhões de possibilidades de combinação, os aminoácidos configuram cerca de 20% do peso do nosso corpo, já em forma de proteína. Os recém-nascidos, que ainda não possuem uma dieta alimentar normal, tiram do leite materno todos os aminoácidos essenciais que precisam para seu crescimento e desenvolvimento.

Leia também: Conheça a importância da proteína

Leia também: Entenda o curso e a profissão de nutricionista – Parte 1

Os aminoácidos podem ser qualificados de diversas formas, de acordo com sua estrutura tridimensional (aminoácidos apolares, polares neutros, polares ácidos e polares básicos), quanto as suas propriedades (organolépticas, físicas e químicas), quanto ao destino (cetogênico ou glicogênico) e, o que iremos abordar neste artigo, a qualificação nutricional (aminoácidos essenciais, condicionalmente essenciais ou não essenciais).

O que são os aminoácidos essenciais

O corpo humano precisa de 20 aminoácidos diferentes para funcionar corretamente. Entretanto, apenas nove aminoácidos são classificados como essenciais. Os aminoácidos essenciais são aqueles que não podem ser produzidos pelo corpo humano. Dessa forma, são somente adquiridos pela ingestão de alimentos vegetais ou animais. São eles: fenilalanina, isoleucina, leucina, valina, lisina, metionina, treonina, triptofano, histidina.

Os aminoácidos essenciais são necessários para processos vitais como a construção de proteínas e a síntese de hormônios e neurotransmissores. Eles também podem ser ingeridos na forma de suplemento para aumentar o desempenho atlético ou melhorar o humor.

A partir de uma dieta rica em carnes ou derivados do leite, é possível absorver os aminoácidos que nos faltam. Os vegetarianos, que possuem uma dieta alimentar sem proteínas animais, mas podem obter estes aminoácidos com uma dieta equilibrada, consumindo vegetais que melhor oferecem quantidades deles na sua formação.

Apesar dos vegetais conseguirem sintetizar todos os tipos de aminoácidos que precisamos para sobreviver, não encontramos todos os essenciais em um só vegetal. Então é importante a diversidade na alimentação, principalmente cereais, como trigo, aveia, quinoa; leguminosas, como feijão, grão de bico, lentilha, soja e oleaginosas, como castanhas e nozes.

Um bom exemplo disso é o nosso arroz com feijão. O feijão é um alimento que possui todos os aminoácidos essenciais, porém apresenta uma quantidade limitada de metionina e cisteína. O arroz, por sua vez, é rico em metionina e cisteína. Desse modo, a combinação torna-se perfeita.

O que são os aminoácidos não-essenciais

Aminoácidos não-essenciais ou dispensáveis: São aqueles que o corpo humano pode sintetizar, são eles: glutamina, alanina, asparagina, ácido aspártico, ácido glutâmico, serina.

O que são os aminoácidos condicionalmente essenciais

Aminoácidos condicionalmente essenciais são os aminoácidos que devido a determinadas patologias, não podem ser sintetizados pelo corpo humano. Assim, é necessário obter estes aminoácidos através da alimentação, de forma a satisfazer as necessidades metabólicas do organismo. São eles: cisteína, glicina, prolina, tirosina e arginina.

A arginina, por exemplo, apesar de não ser essencial, não é produzida pelo organismo quando o indivíduo se encontra adoecido, como no caso de câncer; sendo necessário suplementá-la.

Para que servem os aminoácidos essenciais

Os nove aminoácidos essenciais realizam várias funções importantes no organismo, são eles:

– Fenilalanina: A fenilalanina é uma precursora dos neurotransmissores tirosina, dopamina, epinefrina e norepinefrina. Ela desempenha um papel integral na estrutura e função das proteínas e enzimas e na produção de outros aminoácidos.

– Valina: A valina é um dos três aminoácidos de cadeia ramificada. Ela ajuda a estimular o crescimento e a regeneração muscular e está envolvida na produção de energia.

– Treonina: Treonina é uma parte principal das proteínas estruturais, como colágeno e elastina, que são importantes componentes da pele e do tecido conjuntivo. Ela também desempenha um papel no metabolismo da gordura e na função imunológica.

– Triptofano: Embora muitas vezes associado a sonolência, o triptofano tem muitas outras funções. Ele é necessário para manter o equilíbrio adequado de nitrogênio e a proteção de serotonina, um neurotransmissor que regula o apetite, sono e humor.

– Metionina: A metionina desempenha um papel importante no metabolismo e na desintoxicação. Ela também é necessária para o crescimento de tecidos e absorção de zinco e selênio, minerais vitais para a saúde.

– Leucina: Como a valina, a leucina é um aminoácido de cadeia ramificada importante para a síntese de proteínas e para o reparo muscular. Ela também ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue, estimula a cicatrização de feridas e produz hormônios de crescimento.

– Isoleucina: O último dos três aminoácidos de cadeia ramificada, a isoleucina está envolvida no metabolismo muscular e está fortemente concentrada no tecido muscular. Ela também é importante para a função imunológica, produção de hemoglobina e regulação de energia.

– Lisina: A lisina desempenha um papel importante na síntese de proteínas, de hormônios, de enzimas e na absorção de cálcio. Ela também é importante para a produção de energia, função imunológica e produção de colágeno e elastina.

– Histidina: A histidina é usada para produzir histamina, um neurotransmissor que é vital para a resposta imune, a digestão, a função sexual e os ciclos de sono-vigília. Ela é fundamental para manter a bainha de mielina, uma barreira protetora que envolve as células nervosas.

Os aminoácidos essenciais podem ser encontrados em uma grande variedade de alimentos, todavia tomar doses concentradas de forma suplementar tem sido associado a vários benefícios para a saúde.

Ingestão recomendada de aminoácidos essenciais

Como já foi comentado, os aminoácidos essenciais não são produzidos pelo organismo, eles devem ser adquiridos por meio de uma dieta alimentar equilibrada.

De acordo com os padrões dos EUA, a cada quilograma de peso corporal, é necessária a ingestão das seguintes quantidades de aminoácidos essenciais: histidina (14 miligramas), isoleucina (19 miligramas), leucina (42 miligramas), lisina (38 miligramas), metionina (mais o aminoácido não essencial cisteína 19 miligramas), fenilalanina (mais o aminoácido não essencial tirosina 33 miligramas), treonina (20 miligramas), triptofano (cinco miligramas) e valina (24 miligramas).

Alimentos que contêm todos os nove aminoácidos essenciais são referidos como proteínas completas, alguns exemplos são: quinoa, carnes, trigo sarraceno, frutos do mar, soja, ovos, chia e laticínios. Outras fontes de proteínas vegetais, como feijões e nozes, são consideradas incompletas, pois não possuem um ou mais dos aminoácidos essenciais.

No entanto, se você está seguindo uma dieta baseada em vegetais, você ainda pode garantir a ingestão adequada de todos os aminoácidos essenciais, contanto que você consuma uma variedade de proteínas vegetais. Como é o caso do arroz com feijão, citado anteriormente, que juntos fornecem todos aminoácidos essenciais necessários.