Alimentos orgânicos mais saudáveis para a alimentação humana

Os alimentos orgânicos são produzidos de modo livre de qualquer tipo de insumo artificial e são considerados mais saudáveis para o meio ambiente e para a alimentação humana. Tais alimentos são completamente diferentes dos produtos da agricultura e pecuária convencionais pela maneira em que são produzidos, embalados e levados até o consumidor.

A indústria tradicional emprega doses maciças de inseticidas, fungicidas, herbicidas, adubos químicos, drogas veterinárias, hormônios, antibióticos, Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e os transgênicos. Essas substâncias podem causar, indiretamente, muitos efeitos colaterais  aos seres humanos, como diversos tipos de doenças. Além disso, também são responsáveis pela contaminação do solo e lençóis freáticos.

De modo geral, a agricultura e pecuária orgânica são métodos mais naturais e saudáveis de produzir alimentos, que visam o desenvolvimento econômico e produtivo sem poluir ou destruir o meio ambiente, e que valorizem o ser humano.

Leia também: Transgênicos Parte 1 – o que são e suas aplicações

Leia também: Agrotóxicos e o impacto na nossa alimentação

Agricultura orgânica

Os alimentos agrícolas orgânicos provêm de sistemas baseados em processos naturais que evitam agredir o meio ambiente e eliminam o uso de produtos químicos.

Algumas técnicas usadas para se obter os alimentos orgânicos incluem:

– Emprego de composto orgânico para adubação (compostagem) e manejo de culturas, em que uma planta auxilia no desenvolvimento de outra cultura ou prepara o solo para uma safra posterior.

– O uso racional da água de irrigação seja por gotejamento ou demais técnicas econômicas de água contextualizadas na realidade local de topografia, clima, variação climática e hábitos culturais de sua população.

– Uso da adubação verde através de leguminosas fixadoras de nitrogênio atmosférico.

– Minhocultura, geradora de húmus com diferentes graus de fertilidade; manejo mínimo e adequado do solo com plantio direto, curvas de níveis e outras para assegurar sua estrutura, fertilidade e porosidade.

A agricultura orgânica já era empregada por diversas sociedades tradicionais há milhares de anos, que conseguiam se manter, principalmente na América Latina, antes da colonização espanhola dizimar boa parte dessas sociedades, como a Inca. Na Índia, os camponeses hindus não utilizam fertilizantes químicos, mas empregam diferentes métodos para reciclar os materiais orgânicos, e conseguem manter sua produção assim.

Pecuária orgânica

Na pecuária orgânica todo animal é rastreado desde seu nascimento até o abate, com registro de peso, alimentação, vacinas, entre outras informações, em fichas individuais.

A alimentação dos animais é observada com especial atenção. Além da pastagem, outros ingredientes compõem o cardápio dos animais orgânicos como suplementação alimentar com grãos e rações isentas de organismos transgênicos. Alimentos estes que têm procedência garantida ou são produzidos pelos próprios pecuaristas de acordo com as normas da certificação.

Outra preocupação é quanto ao bem-estar dos animais. As fazendas trabalham com sombreamento das pastagens e currais em formato circular para que o gado não se machuque ou se estresse.

Uma das prioridades das certificadoras é garantir a segurança alimentar. Por isso, é exigida e monitorada a vacinação, inclusive contra febre aftosa. Em caso de alguma enfermidade, o gado orgânico é tratado com produtos fitoterápicos e homeopáticos.

Como identificar alimentos orgânicos

O Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade Orgânica (SisOrg), administrado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, do governo brasileiro, foi criado para identificar e controlar a produção nacional de alimentos orgânicos, quanto a sua origem e processo produtivo. Os produtos em conformidade com suas normas (quanto a produção dos alimentos em questão, preparo dos produtos, transporte e pontos de vendas) recebem o selo do SisOrg, concedido pelos Organismos de Avaliação da Conformidade – (OAC).

Além de serem livres de agrotóxicos ou fertilizantes químicos, os produtos orgânicos, devem ser produzidos em um ambiente de produção orgânica, realizada com base nos princípios agroecológicos que contemplam o uso responsável do solo, da água, do ar e dos demais recursos naturais, respeitando as relações sociais e culturais.

O selo do SisOrg para produtos orgânicos passou a ser usado para identificar e controlar a produção nacional de orgânicos a partir de 1 de janeiro de 2011, e para identificar quais os produtos são orgânicos é só verificar a existência do selo no rótulo ou embalagem do produto.

Para divulgar o programa governamental de incentivo e controle da produção de alimentos orgânicos foi elaborada uma cartilha intitulada “O Olho do Consumidor”, ilustrada pelo cartunista Ziraldo. A cartilha pode ser baixada gratuitamente, em formato PDF, clicando aqui.

É importante ressaltar que, apesar de não conterem produtos químicos, os alimentos orgânicos também devem ser submetidos à higienização.

Alguns benefícios dos alimentos orgânicos

– Ausência de agrotóxicos: Nenhum pesticida sintético é usado na agricultura orgânica, fazendo com que os alimentos sejam mais saudáveis. Os agrotóxicos são a segunda maior causa de intoxicação no país, perdendo apenas para medicamentos.

Os sintomas causados em quem trabalha diretamente com esses produtos, incluem dores de cabeça, náuseas, dor de estômago, depressão, ansiedade, dores musculares, cólicas abdominais, queimaduras na pele e crises respiratórias. Além, de sua exposição prolongada, poderem causar alterações celulares, aumentando o risco para vários tipos de câncer, abortos e má formação do feto.

– Melhoria da vida no campo: A agricultura orgânica contribui na melhoria das condições de vida socioeconômicas das comunidades rurais. Cultivos orgânicos necessitam de mais mão de obra, gerando emprego e renda aos que vivem longe das cidades.

– Conservação do solo: A agricultura orgânica visa à conservação da fertilidade do solo, com a prática de rotação de culturas e adubação verde. Um dos princípios desse processo é retirar o mínimo possível do solo, já que ele é considerado um organismo vivo.

– Redução de poluição ambiental: A agricultura convencional pode poluir o solo de cultivo com produtos químicos, além de dificultar a fixação de nitrogênio pelos microrganismos que habitam o solo, deixando-o mais pobre.

– Manutenção do bem-estar animal: Na produção orgânica de animais, eles são alimentados somente com produtos orgânicos e mantidos em locais mais espaçosos e menos estressantes, reduzindo o uso de hormônios artificiais ou antibióticos sintéticos.

– Promoção da biodiversidade: A conservação do solo e a ausência de agrotóxicos ajudam na preservação de pássaros, insetos e outros animais da região.