A Liv Up acaba de lançar papinhas para bebês

A pandemia do novo coronavírus fez com que as empresas se adaptassem ainda mais conforme os novos hábitos do consumidor. Com base em dados internos e na observação das tendências de mercado, a Liv Up, empresa de marmitas saudáveis, acaba de lançar papinhas para bebês, categoria que cresceu 51% nos últimos meses, segundo dados da empresa de análise Nielsen.

“Sabemos que a amamentação e o cuidado com os alimentos da criança são prioritárias na atividade parental, e nos chamou atenção o aumento na busca por alternativas saudáveis e práticas para ajudar na fase de introdução alimentar. O nosso objetivo é sermos um parceiro para ajudar os cuidadores no processo de introdução alimentar”, explica Stella Brant, diretora de marketing e sócia da Liv Up.

Os alimentos indicados para crianças de seis meses a dois anos são 100% naturais e orgânicos, sem aditivos de conservantes, sal ou açúcar. Os produtos estão disponíveis em 12 sabores, custam entre R$9,50 e R$11,90 e estão disponíveis no site para as regiões metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Leia também: A influência da mídia na alimentação infantil

Leia também: Alimentação do bebê: nutrientes essenciais

A pandemia

Com o isolamento social e parte da população em home office, a Liv Up projeta, ao menos, manter o crescimento que triplica anualmente. Na segunda quinzena de março, por exemplo, a demanda de pedidos aumentou em 2,5 vezes, momento em que a empresa aproveitou para fazer um lançamento focado em saladas.

“Ampliamos nossa presença para diferentes momentos de consumo para atender a essas demandas. A pandemia acelerou a consciência e preocupação das pessoas sobre o próprio bem-estar e a saúde, ao mesmo tempo em que a praticidade é necessária”, diz Brant. A executiva lembra ainda que a empresa buscou mitigar os danos dos produtores de alimentos orgânicos que sofreram com os restaurantes e outros estabelecimentos fechados ao usar esses produtos direto nas marmitas comercializadas pela empresa.

Selo de produto orgânico

O selo de produto orgânico é uma certificação emitida pelo Ministério da Agricultura, a qual a empresa Liv Up possui, e esta certificação é possível em duas situações:

– Para produtos orgânicos, em que a receita tem no mínimo 95% de ingredientes cultivados de maneira orgânica, e os ingredientes não orgânicos não têm opção orgânica disponível no mercado;

– Para produtos com ingredientes orgânicos, que garante que têm pelo menos 70% de ingredientes orgânicos.

A empresa

Liv Up, start-up paulistana com menos de 3 anos de vida, tem desenhado um novo modelo de negócios no setor de alimentos, unindo a alimentação saudável e o conceito de farm-to-table, típicos da cozinha artesanal, com a escala e o crescimento que só a tecnologia e a engenharia de processos podem proporcionar.

Dois amigos, que se conheciam desde o primeiro ano de faculdade na Poli-USP, Victor Santos e Henrique Catellani, se incomodavam com as soluções de comida saudável existentes. Ou eram produtos industrializados com taxas escandalosas de sódio, ou marmitas caseiras congeladas no freezer que tornavam a alimentação fitness um ultraje ao sabor.

Depois de muitas pesquisas e um primeiro modelo de negócio desenhado, veio a descoberta que transformaria a escala da Liv Up: os empreendedores foram apresentados a uma técnica italiana de ultracongelamento capaz de preservar a textura dos alimentos e os nutrientes, embalando a vácuo cada produto. Dessa forma, poderiam vender as refeições em pacotes individuais congelados que ficam prontos depois de alguns minutos no micro-ondas.

As refeições variam de R$22 a R$26 e são vendidas pelo e-commerce da marca (livup.com.br).

O foco na eficiência fez a Liv Up manter um crescimento mensal acima de 10%, crescendo 5 vezes de tamanho só no último ano. Hoje, são produzidas mais de 100 mil refeições por mês, em uma cozinha que cresceu daqueles 60 m² em 2016 para 400 m², dentro de uma estrutura de 1.000 m² com 140 funcionários.

Há um ano e meio, a Liv Up abriu uma operação também no Rio de Janeiro e há menos de um mês estreou em Belo Horizonte. Os planos para esse ano são de expandir para novas cidades, mantendo a produção centralizada em São Paulo e criando redes de distribuição pelo país.