A influência da mídia na alimentação infantil

As indústrias investem pesadamente divulgando alimentos os quais tendem a ser ricos em gorduras, açúcar e sal, bem como pobre em nutrientes. Dadas as crescentes taxas globais de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis, muitos especialistas têm sugerido que a influência da mídia na alimentação infantil, devido a tais alimentos, contribuem para um ambiente “obesogênico” que torna as escolhas saudáveis mais difíceis, especialmente para crianças.

O público infantil é o mais vulnerável aos apelos promocionais de propaganda e publicidade que envolve a promoção de diversos alimentos, como biscoitos, refrigerantes, fast-food e alimentos semiprontos industrializados. As indústrias vêm investindo pesadamente na mídia televisiva divulgando alimentos ricos em calorias, bebidas carbonatadas, cereais açucarados, snacks, alimentos ricos em gorduras, açúcar e sal, sendo alimentos bem pobres em nutrientes.

A mídia vem cumprindo importante papel na evolução dessa problemática, no que se refere às propagandas apresentadas na televisão, internet, jornais e revistas, contribuindo e estimulando o consumo de alimentos sem valor nutricional. Além disso, utiliza-se de estratégias de marketing para captarem as crianças, importante influenciadora nas compras dos pais. Nesse contexto, os pais possuem uma contribuição essencial para a influência e a formação de hábitos alimentares saudáveis dos seus filhos.

Leia também: A alimentação na adolescência

Leia também: Frituras um mal que deve ser evitado

Os profissionais de saúde, principalmente os nutricionistas, por meio de ações educativas voltadas tanto para os pais quanto para as crianças, devem tentar mudar a realidade que hoje toma conta das famílias brasileiras, mesmo que os resultados sejam colhidos a longo prazo. Apesar de os meios de comunicação possuir impacto na vida das pessoas, isso não quer dizer que somente a mídia seja a responsável por problemas de saúde pública, mas o consumo desses tipos de alimentos está associado ao excesso de peso e à obesidade ainda na infância. Condições que podem perdurar até a idade adulta, além de provocarem diversas complicações, como dislipidemias e alteração da pressão arterial.

Marketing Nutricional

A comunicação é um elemento-chave do marketing, sendo uma das etapas finais do seu planejamento estratégico. É fundamental para as atividades de divulgação de produtos, das quais se destacam a publicidade e a propaganda.

O marketing nutricional busca mostrar os produtos de uma forma que os consumidores possam se sentir atraídos por eles, uma vez que os clientes se tornaram mais conscientes em relação a hábitos de vida saudável. O melhor nível de conhecimento da população tem feito com que as empresas e os profissionais de marketing busquem estratégias que visam à conquista dos consumidores e consequentemente, maior disseminação e lucro de seus produtos.

O marketing nutricional é efetuado de diversas formas pelas empresas de produtos alimentícios. Uma das formas mais importantes consiste na veiculação de tabelas com informações nutricionais do produto, ou seja, a descrição do conteúdo de energia e nutrientes do alimento.

Dados recentes demonstram que 70% das pessoas consultam rótulos dos alimentos no momento da compra, no entanto, mais da metade não compreende adequadamente o significado das informações.

Composição Nutricional dos principais produtos veiculados pela mídia para o público infantil

Um estudo realizado no Brasil por Almeida et al.18 teve como objetivo registrar a quantidade e a qualidade de produtos alimentícios veiculados pelas principais redes de TV de canal aberto do País. Dos 1.395 anúncios de produtos alimentícios veiculados, 57,8% estão no grupo da pirâmide alimentar representado por gorduras, óleos, açúcares e doces. O segundo maior grupo foi representado por pães, cereais, arroz e massas (21,2%), seguido pelo grupo de leites, queijos e iogurtes (11,7%) e o grupo de carnes, ovos e leguminosas (9,3%).

No presente estudo, foi realizado um cálculo da composição nutricional, com base em uma média de três rótulos para cada tipo de produto mais consumido pelas crianças, dentre eles, biscoitos recheados, biscoitos salgados, bebidas achocolatadas, sanduiches fast food, refrigerantes e iogurtes. Os resultados encontrados serão apresentados nos itens subsequentes.

Estatística dos nutrientes e análise dos nutrientes

Os biscoitos recheados biscoitos salgados os apresentaram grande quantidade de carboidratos e sódio, além do alto índice de calorias.

Em sua composição nutricional, as bebidas achocolatadas apresentaram também alta concentração de carboidratos e sódio, além da proteína que aparece entre os cinco nutrientes de maior destaque.

Os sanduíches fast food foram o que mais apresentaram um alto teor de gorduras totais e saturadas, além da fibra e cálcio. E, quando comparado aos demais produtos analisados, foi o alimento de maior caloria e sódio.

Já os refrigerantes foram os únicos que não apresentaram nenhuma quantidade de proteína e gordura, mesmo assim é um produto calórico, constando também sódio em sua composição.

Os iogurtes apresentaram o menor índice de calorias, além se ser o único produto analisado a constar uma quantidade de ferro, destacando também o cálcio.

Mídia versus educação nutricional entre pais e filhos

A alimentação saudável desde o início da vida fetal e ao longo da primeira infância, incluindo a alimentação da gestante, da nutriz, o aleitamento materno e a introdução oportuna da alimentação complementar, tem impactos positivos, influenciando não somente o crescimento e desenvolvimento da criança, mas também as demais fases do curso da vida. O inverso também ocorre, a alimentação inadequada pode levar ao risco nutricional, como a desnutrição ou excesso de peso, gerando um aumento da suscetibilidade para doenças crônicas não transmissíveis na vida adulta, como diabetes, obesidade, doenças do coração e hipertensão.

O ingresso na escola está associado a um período em que se inicia certa independência e a aquisição de novos hábitos. A partir do momento que a criança inicia a vida escolar, ela experimenta a autonomia que, se não for estimulada em um ambiente saudável pode tornar-se um fator desencadeante para a obesidade e, posteriormente, para o desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT).

Pais, profissionais de saúde e de educação, além de deputados e ONGs, devem promover campanhas convocando as empresas do ramo alimentício e afins, bem como as revistas voltadas ao público infanto-juvenil, a fazerem marketing de comida de forma responsável.

Fonte: Portal Educação